Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Para Lula, acordo com FMI é decisão política

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que a decisão de renovar o acordo com o FMI será política e que, no momento, não é necessário o Brasil fazer o acordo. "É uma decisão política que nós vamos tomar no momento certo", disse. "Não precisamos renovar o acordo com o FMI. Nós só o faremos se houver como tirar alguma vantagem para o Brasil".O presidente reiterou que está tranquilo em relação às conversas com o Fundo. "Nós estamos tranquilos, não estamos com nenhum sufoco", afirmou. "O Brasil está à cavaleiro para chegar ao FMI e dizer: não queremos acordo, não vamos renovar e está bom".Segundo ele, não foi o FMI quem determinou o aumento da meta de superávit primário de 3,75% para 4,25%. "Essa foi uma meta que o próprio governo fixou, é uma decisão do governo, não é uma decisão do FMI", garantiu. O presidente evitou comentar sobre a possibilidade de negociar uma queda no superávit primário. "O superávit é um problema nosso", afirmou.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2003 | 14h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.