finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Para Lula, resposta para a crise está com os países ricos

'Não adianta procurar medidas paliativas', diz presidente brasileiro em Washington.

Fabrícia Peixoto, BBC

15 de novembro de 2008 | 15h06

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado, em Washington, que a solução para a crise financeira global está nas mãos dos países ricos.Segundo Lula, "a melhor solução para evitar que a crise se alastre são os países ricos resolverem seus problemas"."Não adianta ficar procurando medidas paliativas, se não resolver primeiro os problemas da política econômica americana e européia", disse Lula, pouco antes de entrar para a sessão plenária do G20.Lula disse que a situação nos Estados Unidos é "delicadíssima", mas que o presidente Bush "tem que assumir a responsabilidade de que ele é o presidente até o dia 20 de janeiro e não pode ter vacilações sobre o tratamento da crise".Lula participou na sexta-feira de um jantar na Casa Branca, oferecido aos chefes de Estado pelo presidente americano George W. Bush. "Eu disse que não vamos abdicar de nossa finalidade, que é fazer o Brasil crescer".Dinheiro nos mercadosUm dos assuntos, de acordo com Lula, foi a liquidez do sistema financeiro mundial, especificamente sobre o dinheiro que está sendo colocado à disposição dos mercados."Uma coisa que eu disse aos países ricos é que eles tratem de fazer com que esse dinheiro chegue na ponta".O presidente brasileiro também falou aos outros líderes que, quando era metalúrgico, tinha que fazer "60 horas extras por mês" para comprar uma televisão."Não é justo que alguém fique bilionário sem produzir uma folha de papel. Por isso é preciso que tenha uma regulação séria do G20". Uma das propostas do governo brasileiro, segundo ele, é que as questões financeiras globais passem a ser tratadas permanentemente pelo G20 - e não mais pelo G8 (grupo de países ricos, mais a Rússia).O presidente disse ainda que o Brasil tem um pontencial de crescimento interno que "os países desenvolvidos não têm", e que a força da demanda interna pode ajudar o país a passar de forma mais confortável pela crise.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.