Para M. Safra, BC espera alta de preços livres em 2013

Mesmo com a apropriação da redução da tarifa de energia elétrica, a expectativa do Banco Central (BC) para a taxa de inflação em 2013 pelo cenário de mercado caiu muito pouco, apenas 0,10 ponto porcentual, de 4,9% para 4,8%. Esse foi um dos pontos que mais chamaram a atenção do economista-chefe do M. Safra, Marcelo Fonseca, ao ler o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que a autoridade monetária divulgou na manhã desta quinta-feira.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agencia Estado

27 de setembro de 2012 | 11h25

No mercado, a previsão é de que a redução da tarifa de energia elétrica de, em média, 16,2% para o consumidor residencial fosse impactar em 0,5 ponto porcentual a taxa de inflação no próximo ano. Não foi o que mostrou o RTI e isso é, para Fonseca, um indicativo de que o BC está considerando uma elevação significativa da inflação dos preços livres no ano que vem, já que, com a redução da energia, os preços administrados sofrerão queda.

Na corrente de uma elevação esperada pelo próprio BC, Fonseca diz que só pode "concluir que temos grandes elementos para acreditar que o BC pode parar de cortar juros", a não ser que os próximos indicadores traduzam uma piora muito forte da economia. "A inflação no curto prazo é desafiadora", disse o economista do M. Safra, que trabalha com uma previsão de 0,60% de alta do IPCA para o mês de setembro.

Cenário externo

Ainda de acordo com Fonseca, o RTI mostra uma mudança no tom do discurso do BC em relação ao cenário internacional. Antes o BC defendia que a crise externa era desinflacionária para a economia brasileira. Agora, de acordo com Fonseca, o BC ainda continua vendo o cenário externo desinflacionário, mas mais condizente com uma dificuldade interna.

"Isso está alinhado com a mudança de tom que prevê uma inflação se mantendo acima do centro da meta em 2013 e acelerando em 2014", avalia. "Não é por coincidência que o BC mudou o tom", diz o economista do M. Safra, para quem o balanço de risco agora passou a ser neutro.

Tudo o que sabemos sobre:
BCrelatório inflaçãoMSafra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.