Para Malan, juros nos EUA terão impacto pequeno no Brasil

O aumento da taxa de juros nos Estados Unidos em 0,25 ponto percentual decidido hoje terá um impacto limitado no Brasil, estimaram dois economistas que participaram do governo Fernando Henrique Cardoso. "O impacto não será positivo, nem dramático, a não ser que a inflação empurre altas mais aceleradas dos juros" nos EUA, disse o ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan. Para ele, o Brasil vive "um contexto favorável de liquidez internacional", com a economia crescendo nos EUA, China e Japão. Na opinião do ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda, Amaury Bier, a alta dos juros norte-americano já havia sido "em boa medida assimilada" pelo mercado, já que em maio começaram as indicações de que as taxas subiriam. Bier disse que um impacto maior no Brasil "dependerá muito dos indicadores norte-americanos, sobretudo se a inflação provocar um aumento maior na taxa de juros". Ele destacou que a economia brasileira ainda depende muito de dólares para honrar os compromissos externos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.