Para Mantega, desaceleração forte nos países ricos é inevitável

O crédito global continuará restrito em função da atual crise financeira internacional, que levará a uma forte desaceleração da economia dos países desenvolvidos. A avaliação foi feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em exposição sobre a crise na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, nesta quinta-feira. "Nós vamos continuar no mundo com crédito restrito e custo maior, em função da desalavancagem que vai ocorrer... é inevitável uma forte desaceleração dos países mais avançados", disse. "A luta dos países avançados é impedir que os países avançados caiam numa depressão como aconteceu em 1930", acrescentou. "De qualquer forma, haverá de fato uma desaceleração da economia." (Reportagem de Isabel Versiani e Ana Nicolaci da Costa)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.