Para Mantega, mundo enfrenta guerra comercial

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje em palestra na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) que o mundo enfrenta uma "guerra comercial" e uma "guerra cambial". Segundo ele, governos de vários países, incluindo Estados Unidos e Japão, estão permitindo a desvalorização de suas moedas a fim de conquistar mercados de países que apresentam bom desempenho interno de suas economias, como é o caso do Brasil.

RICARDO LEOPOLDO, Agencia Estado

27 de setembro de 2010 | 13h38

Mantega ressaltou que a próxima reunião do G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo) levará as autoridades do grupo à manifestação de que a gestão cambial precisa ser muito mais harmoniosa entre seus participantes. "Eu acho que o câmbio flutuante é o melhor sistema, mas precisa ser flutuante para todo mundo", comentou.

O ministro da Fazenda destacou que a desvalorização de moedas internacionais, como o dólar norte-americano, traz preocupações legítimas às indústrias brasileiras. "Há países usando a vantagem cambial através de artificialismos. Temos de preservar o Brasil, o mercado interno", comentou. "Não é justo para nós, que conseguimos manter o mercado interno elevado, que ele seja aproveitado por outros países." Mantega enfatizou que o Brasil precisa ser mais duro na política antidumping para evitar o ingresso de mercadorias de outros países de forma predatória para a indústria nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
comérciocâmbioguerramercadosMantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.