finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Para manter reservas, foram gastos R$ 26,6 bi

Valor médio das reservas internacionais ficou em R$ 455 bilhões e lucro do Banco Central[br]foi de R$ 15,7 bilhões

Eduardo Rodrigues e Renata Veríssimo, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2011 | 00h00

O Banco Central gastou R$ 26,6 bilhões em 2010 para manter as reservas internacionais brasileiras, que superam US$ 300 bilhões. No entanto, como o Tesouro Nacional arca sozinho com esse custo, transferindo títulos públicos para o BC, a instituição teve lucro de R$ 15,7 bilhões, segundo balanço aprovado ontem pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

De acordo com o documento, o chamado custo de carregamento das reservas internacionais foi de 5,86% em 2010. Isso ocorre porque o BC teve um custo médio de 7,74% para levantar recursos, enquanto a remuneração média dos papéis que compõem as reservas em moeda estrangeira não passou de 1,88%.

Fazendo as contas em reais e sem considerar a variação cambial, como o volume médio das reservas ficou em R$ 455 bilhões em 2010, o prejuízo do BC para mantê-las foi de R$ 26,6 bilhões. Levando em consideração o câmbio, o gasto das reservas chegaria à cifra de R$ 48,5 bilhões.

No entanto, segundo o diretor de Administração do BC, Antero Meirelles, a variação do câmbio é desprezada no cálculo porque esse resultado não é realizado, uma vez que o Brasil não se desfez dos papéis estrangeiros. "É um registro meramente contábil, pois a variação cambial só impacta a conta se houver venda."

Dos R$ 15,7 bilhões de lucro apurado pelo BC em 2010, R$ 10,8 bilhões foram obtidos no primeiro semestre e R$ 4,9 bilhões no segundo. O resultado - dado pela a diferença entre receitas e despesas com juros incidentes apenas sobre as operações em moeda local - superou os desempenhos de 2009 (R$ 5,6 bilhões) e 2008 (13,3 bilhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.