ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

Denúncia contra Temer não pode 'atrasar' o Congresso, diz Meirelles

Ministro da Fazenda afirma que parlamentares 'estão conscientes de que é preciso votar' a reforma da Previdência

Carla Araújo, Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2017 | 11h12

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira, 18, que a denúncia contra o presidente Michel Temer não pode atrasar muito os trabalhos do Congresso e que é fundamental que a reforma da Previdência avance. A declaração foi dada após a cerimônia de posse de Raquel Dodge como sucessora de Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República.

Segundo Meirelles, mesmo com a pauta da segunda denúncia, os parlamentares estão conscientes de que é preciso votar a reforma previdenciária.

++Por que se preocupar com a reforma da Previdência

"Esperamos que tudo seja mantido, seja votado no seu devido tempo, porque a reforma da Previdência é fundamental para o País", disse. "Se ela não for feita agora, ela deverá e terá que ser feita num futuro próximo. Não podemos correr o risco de entrar em 2018 ainda com a Previdência pendente, ou pior, ainda iniciarmos o próximo governo com uma discussão de reforma da Previdência", completou o ministro da Fazenda.

++Não há como votar reforma da Previdência neste momento, diz Maia

Meirelles disse ainda que o País "tem o direito e expectativa" de que a reforma seja votada agora "e aprovada nos seus pontos fundamentais para que entremos num novo capítulo, um capítulo com equilíbrio fiscal, estabilidade econômica e que possa garantir ao País uma rota de crescimento sustentável nos próximos anos". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.