Para Meirelles, custo das reservas compensa benefícios ao país

O presidente do Banco Central,Henrique Meirelles, sinalizou nesta sexta-feira que o programade fortalecimento das reservas internacionais deve continuar. "A crise atual mostra a grande vantagem da acumulação dereservas", afirmou no Rio de Janeiro quando questionado sobreas críticas de alguns analistas sobre o custo de manutençãodesse colchão internacional. "O custo tem sido menor que osbenefícios que (as reservas) trazem." As reservas internacionais brasileiras estão no patamarrecorde de 190 bilhões de dólares e têm sido construídas,principalmente, com compras diárias de dólar no mercado à vistade câmbio. As operações acabam provocando o aumento do endividamentointerno, já que o excesso de reais no mercado acaba sendorecolhido pelo BC por meio de leilões de títulos públicos. E ospapéis brasileiros garantem ao mercado juros mais altos que osobtidos com as reservas internacionais, geralmente aplicadas emtítulos como os do Tesouro norte-americano. Meirelles reafirmou sua avaliação de que o Brasil está hojemelhor preparado para enfrentar a crise internacional,originada no mercado imobiliário dos Estados Unidos, e mantevea estimativa de crescimento de 4,5 por cento neste ano --jáindicada no último Relatório de Inflação do BC. "O momento é de expectativa, à medida que o IBGE vaidivulgar na próxima semana o numero de 2007. A partir daí vamoscomeçar a refazer as nossas análises para publicar a nossaprevisão para 2008", disse após participar do encontro doInstituto Internacional de Finanças (IIF, na sigla em inglês). "Os primeiros reflexos no Brasil e nas economias emergentesforam menores do que se esperava, o preço das commodities sãoum bom indicativo disso. Mas, evidentemente, é muito prematuroainda para que cheguemos a alguma conclusão." Meirelles segue para a reunião periódica do Banco deCompensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), emBasiléia, neste final de semana e destacou que seráespecialmente importante para analisar a crise global. (Por Daniela Machado e Elzio Barreto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.