Para M.Lynch, Brasil está perto de equilibrar contas correntes

O Brasil está próximo de atingir o equilíbrio nas contas correntes em 2003, segundo o economista-chefe para América Latina da Merrill Lynch, Miguel Palomino. Referindo-se à pesquisa Focus do Banco Central, que retrata as expectativas de mercado financeiro para a economia brasileira, divulgada ontem, Palomino disse que o mercado está percebendo que as contas externas do Brasil estão tendo um desempenho muito melhor do que o esperado. "O Brasil deverá apresentar um quase equilíbrio da conta corrente no próximo ano e o consenso do mercado perceberá isso nos próximos meses - depois de estimar até agosto passado um déficit de US$ 20 bilhões", afirmou Palomino. Segundo ele, essa questão é da maior importância, pois não somente melhora significativamente a situação no Brasil, mas "muda toda a natureza do problema". Até recentemente, e por muitos anos, ressaltou o economista, a questão central em relação ao Brasil tem sido o desequilíbrio externo do País. "Era a força que direcionava tudo, incluindo a dinâmica da dívida doméstica", ressaltou. ?Acreditamos que isso mudará no próximo ano, e que a dinâmica do mercado financeiro deverá depender muito mais de questões domésticas", acrescentou. Palomino estima que o Brasil deverá atingir "facilmente" um superávit da balança comercial de US$ 20 bilhões em 2003 - o consenso do mercado é de um superávit de US$ 12,5 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.