finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Para Moody's, desafios persistem após eleições

Agência diz que perspectiva de rating do País deve ser influenciada pela habilidade da próxima administração de reverter as tendências negativas

O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2014 | 02h04

NOVA YORK - A economia do Brasil enfrenta desafios crescentes antes das eleições presidenciais, em outubro, e deve permanecer fraca ao longo do resto do ano, disse a agência de classificação de riscos Moody's em um relatório.

"A tendência negativa de crédito de um crescimento menor e uma inflação maior sugerem que as condições macroeconômicas não devem melhorar durante o resto do ano, mesmo depois que a incerteza em torno das eleições gerais, de outubro, for amenizada", afirmou a agência. "Dessa forma, nós agora esperamos um crescimento menor do PIB real de 1,3% em 2014 e de 1,5% em 2015, com riscos inclinados para o lado negativo."

A Moody's baixou recentemente a previsão de alta do PIB de 1,8% para 1,3% em 2014, e para 2015, de 2% para 1,5%.

O rating soberano do País deve ser afetado por qualquer mudança de política feita pelo vencedor da eleição presidencial, disse a Moody's. "Acreditamos que a perspectiva de rating deve ser fortemente influenciada pela habilidade da próxima administração de reverter as tendências negativas, como um crescimento econômico persistentemente fraco, taxas elevadas de inflação e sentimento do investidor em queda", disse o vice-presidente da agência, Mauro Leos, em resposta enviada por e-mail.

A Moody's tem uma classificação de grau de investimento Baa2 para o Brasil, com perspectiva estável, o que significa que a agência não está planejando alterar a nota do País no momento.

Mas, com o crescimento desacelerando e a inflação persistente, o cenário está cada vez mais desafiador para os formuladores de políticas brasileiros, disse a Moody's.

Energia. Ainda ontem, a agência reduziu o rating da distribuidora de energia do grupo mineiro Cemig de "Baa3" para "Ba1" na escala global, retirando da companhia o grau de investimento.

A Moody's também definiu perspectiva negativa para os ratings da Cemig Distribuição, citando principalmente a deterioração das métricas de crédito da empresa, como resultado do impacto negativo do terceiro ciclo de revisão tarifária, em vigor desde abril de 2013, e do reajuste de tarifas abaixo do esperado em abril deste ano.

A Aneel aprovou em abril aumento médio de 14,76% nas tarifas da Cemig-D ante pedido da companhia de reajuste de 29,74%.

Os ratings da Cemig e da Cemig Geração e Transmissão foram mantidos em Ba1 e Baa3, respectivamente, com perspectivas estáveis.

A agência afirmou que, entre os 12 meses encerrados em dezembro de 2011 e os 12 meses encerrados em março de 2014, o fluxo de caixa da Cemig-D gerado por operações antes de capital de giro caiu quase 40%. / Agências internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.