Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Para OCDE, é cedo para comemorar recuperação dos mercados

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma que ainda é cedo para se concluir que a recente melhora nos mercados internacionais é sustentável. No relatório semestral "Tendências Financeiras", divulgado hoje, a OCDE observa que houve ao longo dos últimos meses vários momentos de recuperação nos mercados norte-americano e europeu, "mas esses movimentos foram na maioria das vezes associados a investimentos especulativos em ações depreciadas, com os investidores rapidamente realizando seus lucros".Mais recentemente, "os desempenhos financeiros de algumas empresas superaram as expectativas dos mercados e alimentaram um novo otimismo". Mas, segundo a OCDE, "ainda é preciso ver se isso sinaliza uma mudança sustentável na confiança do investidor pois os riscos de curto prazo ainda prevalecem".Segundo a OCDE, a continuidade do movimento de alta nos mercados irá depender, além dos fatores macroeconômicos, "que a abrangência da recuperação dos lucros da empresa se torne mais ampla e não apenas confinada a um número limitado de setores, como fabricantes de automóveis e produtores de bens de consumo".A OCDE afirma que a recuperação do euro diante do dólar tem sido moderada, "o que sugere que os investidores mantêm uma perspectiva tímida em relação aos investimentos em ativos europeus". Segundo o estudo, os investidores têm mostrado uma maior preferência por títulos governamentais de curto prazo "e nesse mercado, as alternativas da eurozona têm oferecido retornos nominais melhores do que nos Estados Unidos".Nesse contexto, há sinais de que as reservas dos bancos centrais denominadas em dólares estariam migrando para o euro. "Entretanto, a extensão de qualquer troca das reservas tem sido limitada e uma mudança mais substancial teria que ocorrer durante um longo período de tempo para evitar flutuações nos mercados cambiais", disse a OCDE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.