Para oposição, mercado não confia em Dilma

Senadores Aécio Neves (PSDB) e Ronaldo Caiado (DEM) criticaram política econômica do governo

Ricardo BritoIsabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2016 | 08h22

BRASÍLIA - O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), lamentou ontem em plenário a decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor’s de rebaixar novamente a nota de crédito do Brasil. “Faz isso após avaliar que o processo de ajuste da economia brasileira não alcançará os objetivos expostos ou buscados pelo governo. É mais uma nota triste em um contexto realmente de notícias extremamente negativas que o Brasil vem colhendo”, disse o tucano.

O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), disse que o rebaixamento “traduz o desastre que é o atual governo”. “É um governo sem credibilidade, que não implanta ajustes dentro da própria administração e que não tem força política para aprovar qualquer medida no Congresso. O rebaixamento da nota traduz o desastre que é o atual governo. O mercado, a exemplo dos brasileiros que sofrem com desemprego e inflação, não confia em Dilma”, afirmou o senador.

Já o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), afirmou que o rebaixamento do Brasil era aguardado. “Era de certo modo esperado, porque o País vem num processo, desde o ano passado, vemos o aprofundamento do processo de redução do crescimento”, disse.

Em contrapartida, o senador disse que o ano de 2016 marcará a retomada do crescimento no País. “Temos muitas perspectivas de que este ano de 2016 seja o ano da virada, onde vamos retomar lentamente, ainda um ano com recessão, o início de uma mudança nesse quadro econômico”, defendeu.

Para o líder petista, o Brasil ainda sofre com crises internacionais e a postura de não investir no País tende a diminuir com a retomada de crescimento mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.