Para os EUA, Brasil está mais resistente a choques externos

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, John Snow, disse hoje, após se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o ministro da Economia, Antonio Palocci, que a economia brasileira está hoje mais resistente a choques externos e melhor capacitada para se ajustar às taxas de juros mais elevadas nos EUA. "Com as medidas adotadas nas políticas fiscal e monetária o Brasil está mais resistente hoje do que no passado e melhor capacitado para se ajustar a mudanças no cenário global. Isto é, a taxas de juros mais elevadas", afirmou Snow.De acordo com ele, o eventual aumento nas taxas de juros nos EUA acontecerá num contexto de crescimento econômico norte-americano. "Esse maior crescimento cria capacidade financeira para lidar com taxas de juros mais altos. E o Brasil vai se beneficiar enormemente de taxas de crescimentos maiores da economia mundial", afirmou. O secretário do Tesouro dos Estados Unidos disse que a economia mundial está observando crescimento econômico maior, o que também acontece no Brasil.Snow não quis dizer se o Brasil deveria renovar o acordo com o FMI como um seguro contra futuros choques externos, ele limitou-se a dizer que o Brasil está no curso correto.

Agencia Estado,

23 de junho de 2004 | 19h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.