Para os executivos, a oportunidade está lá fora

Pesquisa aponta que profissionais de alta e média gerência querem mudar de emprego

Márcia Rodrigues, de O Estado de S. Paulo,

18 de junho de 2012 | 19h46

SÃO PAULO - Nem mesmo o eventual temor de que a economia possa ficar mais lenta está inibindo executivos de buscar novas oportunidades no alto escalão corporativo. Segundo pesquisa feita pela Michael Page com dois mil executivos de média e alta gerência, 73% dos profissionais pretendem deixar a companhia atual nos próximos seis meses. São 6% a mais do que no mesmo período em 2011 (veja pesquisa completa ao lado). O levantamento foi feito em março e divulgado agora.

O movimento não é visto como arriscado por especialistas. Eles acreditam que situações de crise intensificam a troca de executivos que ocupam posições estratégicas nas companhias.

"A escassez e a disputa por talentos ainda são muito grandes no Brasil. E é em períodos de crises que ocorrem mudanças estratégicas no alto escalão, como forma de tentar melhorar o desempenho da companhia", diz o diretor de educação da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Luiz Edmundo Rosa.

Para o diretor executivo da Michael Page, Marcelo De Lucca, outro fator que contribui para a movimentação e interesse dos executivos em trocar de companhia é o "pé no freio" que as empresas são obrigadas a dar nos investimentos em situações de desaquecimento econômico. "As organizações estão mais lentas no que se refere a investimento ou promoção de funcionários. Com isso, o potencial de crescimento interno foi reduzido. E os executivos querem crescer depressa. O que aumenta a movimentação do mercado."

O gerente da DeNigris, Gianfrancesco Ghiurghi, de 31 anos, trocou há pouco de emprego para assumir esse cargo na companhia atual, após avaliar perspectivas de ascensão. "O profissional estuda e se prepara muito para obter mais destaque e quer que a empresa faça o mesmo por ele. Não via potencial de crescimento na empresa anterior."

Outro ponto que tornou a decisão de mudar mais fácil para Ghiurghi foi a autonomia que ele teria para direcionar as ações do seu departamento. "Um cargo de gerência exige bastante autonomia. E eu não tinha isso na empresa anterior. Não dá para ser um bom gestor sem poder tomar as decisões nos momentos de tensão. Esse é o espírito ao assumir um cargo gerencial", diz.

Apesar de não estar a procura de emprego, a gerente financeira da Villagres, Andreia Nazzini, de 34 anos, foi sondada e gostou da oferta que sua atual empresa fez para que ela abandonasse a organização do ramo cerâmico onde atuava. "Estava bem na companhia anterior, mas fui ouvir a proposta, pois queria ter ideia de qual era a minha imagem profissional no mercado. Se eu estava adequada ao perfil que vinha sendo exigido pelas organizações", conta a executiva.

O que mais agradou Andreia, segundo ela, foi a postura de seu novo diretor. "Vi que ele tinha muito conhecimento em sua área de atuação e que eu tinha muito a aprender com ele", diz. A gerente financeira também afirma que aceitou a proposta por causa do desafio. "Tenho um plano de carreira e muitas metas para conquistar. E isso é muito estimulante", anima-se.

Apesar de estar feliz com sua decisão, Andreia afirma que avaliou bem a proposta antes de aceitar. "Não é bom mudar de emprego por mudar. É preciso pesar o que a nova empresa pode acrescentar na carreira."

Para o diretor da ABRH, esta é a postura que os profissionais devem ter antes de pensar em procurar uma oportunidade "Sempre há vagas para grandes talentos. Mas quem não está qualificado o suficiente deve ter cautela para não ficar sem emprego."

Tudo o que sabemos sobre:
carreiraexterioremprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.