Para presidente da CNI, 2º semestre será melhor

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, mostrou-se bastante otimista em relação à retomada da economia brasileira no segundo semestre do ano. Durante evento da revista IstoÉ Dinheiro, em São Paulo, ele fez uma rápida avaliação do crescimento das contratações com carteira assinada, revelado nesta quinta-feira pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS E GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

16 de agosto de 2012 | 20h44

Segundo ele, os dados de emprego, mais o aumento da confiança da indústria, divulgado pela própria CNI, mostram que a segunda metade do ano será positiva para a economia. "O segundo semestre será melhor do que o primeiro, porque os estoques já estão ajustados e haverá uma melhora na renda por conta do 13º salário e das vendas no Natal", afirmou.

Sobre o pacote anunciado na quarta-feira pelo governo, que prevê R$ 133 bilhões em investimentos nos setores de ferrovias e rodovias, Andrade disse não saber ainda precisar o impacto sobre o Produto Interno Bruto (PIB). Porém, segundo ele, a medida é importante porque vai trazer os investimentos necessários para setores essenciais da economia.

Conforme Andrade, o custo de logística nos EUA é de 6% do PIB, enquanto no Brasil gira ao redor de 15%.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIeconomiacontratações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.