Para Ricúpero, falta à Argentina setor produtivo "sólido"

Não basta a Argentina abrir-se ao comércio internacional como forma de solucionar seus problemas. Na avaliação do secretário-geral da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Comércio (Unctad), o brasileiro Rubens Ricúpero, um setor produtivo "sólido" é o que poderá resgatar a economia argentina nos próximos meses.Desde que Buenos Aires foi tomada pela crise, alguns governos principalmente o norte-americano, passaram a defender a abertura do mercado argentino como forma de superar os problemas econômicos que o país enfrenta. Há poucas semanas, o representante de Comércio da Casa Branca, Robert Zoellick, declarou que uma liberalização comercial na Argentina ajudaria o país a reconquistar competitividade e atrair capital.Mas Ricúpero alerta: "A integração (no mercado internacional) por si mesma não é uma solução". Ele lembra que o Brasil, ao se industrializar nos anos 70, está evitando agora que uma crise similar a que ocorre com a Argentina se repita no País.Segundo o secretário-geral da Unctad, o Brasil conseguiu promover também uma diversificação na pauta de exportações que possibilita que 70% dos produtos vendidos atualmente pelo País aos Estados Unidos sejam manufaturados, e não apenas commodities.Esse processo, na avaliação de Ricúpero, teria colocado o Brasil em uma situação mais confortável que a da Argentina no mercado internacional.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.