Para se livrar de condenações, lobby e defesa reforçada

Bancos contam com advogados como o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos e apoio do BC e da Fazenda

, O Estadao de S.Paulo

27 de junho de 2009 | 00h00

Acuados, os bancos se armaram para uma guerra contra os poupadores. Estão pagando uma fortuna pelos serviços de três dos mais respeitados advogados do País - o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, Sérgio Bermudes e Arnold Wald. Para dar consistência a seus argumentos, compraram pareceres de economistas renomados, como Luiz Gonzaga Belluzzo. E contrataram a CDN, a mesma empresa de comunicação que trabalha para o BC, para levar seu discurso aos formadores de opinião.O presidente da Febraban, Fábio Barbosa, está acionando sua rede de contatos e já conseguiu apoio da área econômica do governo. O Banco Central e o Ministério da Fazenda produziram documentos para defender as instituições financeiras. Neles, afirmam que decisões contrárias aos bancos podem provocar a insolvência do sistema financeiro, provocando reflexos negativos na concessão de crédito, no emprego, na atividade econômica e na Caixa Econômica Federal."A Caixa é a instituição que mais tem cadernetas de poupança. Se tiver que ressarcir os poupadores, ela não aguenta e o Tesouro vai ter que entrar para ajudar", afirma o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O BC foi além e decidiu fazer parte do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), para defender os bancos.Essa ação, uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), pedindo a suspensão de todas as ações ajuizadas contra eles, foi apresentada em março ao STF. Na peça, os advogados dos bancos afirmam que os poupadores questionam a legalidade dos planos econômicos. "Isso é só para confundir. Os poupadores questionam a atitude dos bancos, não do governo", diz Marilena Lazzarini, fundadora do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). ?NÃO HÁ COMO PAGAR?O medo é que o Supremo tome uma decisão de caráter vinculante (aquela que serve de parâmetro para as demais) a favor dos poupadores. "Seria um desastre", afirma Antônio Carlos de Toledo Negrão, gerente-geral jurídico da Febraban. "Os bancos não fizeram nada errado, portanto não podem ser punidos". E se forem? "Não há como pagar o que eles pedem."Para a advogada Karina Grou, gerente jurídica do Idec, os bancos e o governo fazem terrorismo. "Eles fizeram uma conta incluindo todo mundo, só que a maioria dos poupadores não entrou na Justiça. Além disso, eles sabem que não precisariam pagar de uma só vez, mas ao longo de vários anos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.