Para secretário do Tesouro, incerteza eleitoral é menor

O secretário do Tesouro Nacional, Eduardo Guardia, afirmou que o grau de incertezas do mercado com relação a processo eleitoral é menor agora. ?As eleições introduziram incertezas sobre a manutenção do compromisso de superávit primário. Esse grau de incerteza é agora muito menor. Já foi demonstrado claramente os compromissos dos candidatos (à Presidência) com o superávit primário, inflação baixa e respeito aos contratos. Tudo isso reduz o grau de incerteza?, disse Guardia. Segundo ele, o momento de maior volatilidade do mercado reflete também o cenário internacional adverso, que foi agravado com aperspectiva de guerra no Iraque. Para o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rubens Sardenberg, a situação atual de volatilidade deve ?caminhar rapidamente para uma normalização. Guardia afirmou há pouco que a volta da oferta de títulos com vencimento em 2003 e o resultado do leilão de hoje de NTN-C (título corrigido pelo IGP-M) são um sinal da volta de recuperação da demanda por títulos públicos. ?Esse é um sinal claro de recuperação. Estamos voltando a um situação de normalidade e esse é um fato muito positivo?, afirmou GuardiaNos últimos dois leilões semanais das terças-feiras, o Tesouroofertou títulos com vencimento no próximo ano, fato que não vinha ocorrendo devido às incertezas em relação ao processo eleitoral e o futuro presidente que sucederá Fernando Henrique Cardoso. O secretário do Tesouro informou que a demanda do leilão de hoje de NTN-C foi ?muito boa?. Nesse leilão, o Tesouro vendeu R$ 1,3 bilhão de títulos comprazo de vencimento em dezembro de 2005, a uma taxa de 10,39%. Segundo Guardia, a demanda pelas NTN-Cs não foi apenas de fundos (investidores institucionais), mas também de bancos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.