Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Para segurar queda do dólar, BC faz 2ª intervenção na semana

Na quarta-feira, 6, o BC trocou títulos que pagam juros por papéis indexados à variação do dólar

Patricia Lara, da Agência Estado,

08 de maio de 2009 | 15h35

Para segurar a queda do dólar, o Banco Central voltou a intervir no mercado. Desta vez, o Banco Central comprou moeda norte-americana no mercado à vista. Esta é a segunda tentativa da instituição para impedir a valorização do real nesta semana. Na quarta-feira, 6, o BC trocou títulos que pagam juros por papéis indexados à variação do dólar (swap cambial reverso).

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Esta também foi a primeira vez desde 10 de setembro de 2008 que a autoridade monetária realiza esse tipo de operação no mercado de câmbio, segundo informações do BC apuradas pelo jornalista da Agência Estado em Brasília, Fernando Nakagawa.

 

No leilão de compra de dólar, o BC fixou a taxa em R$ 2,0785. Mas logo após o leilão, o dólar voltou a cair e chegou à mínima do dia, em R$ 2,0680, queda de 1,99%.

 

A queda do dólar é acompanhada por alta na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Às 16h02, a alta é de 2,25%.

 

O bom humor global nesta sexta foi aperfeiçoado pelo dado do mercado de trabalho nos EUA. A economia norte-americana eliminou 539 mil empregos em abril. Economistas consultados pela Dow Jones esperavam corte de 610 mil postos de trabalho.

 

O dado foi divulgado na sequência do resultado dos testes de estresse sobre o balanço dos 19 bancos norte-americanos. O exame mostrou que 10 deles precisarão levantar no total US$ 75 bilhões em capital. E se os investidores não quiserem suprir esses recursos aos bancos, o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, disse que o Departamento do Tesouro tem recursos suficientes do que sobrou dos US$ 700 bilhões originalmente disponibilizados pelo Congresso para fazer a tarefa.

 

 

Com o espírito enaltecido pelas notícias dos EUA, o investidor buscou ativos mais arriscados, tirando o prêmio que embute ao dólar em momentos de crise, por causa de seu status de ativo altamente líquido.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeiroDólarBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.