Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Para ter tomate e cebola, salada fica R$ 2 mais cara

Restaurante no bairro de Perdizes repassa aumento no preço dos alimentos e da energia para os clientes

Patrícia de Oliveira , Especial para o Estado 

15 de junho de 2015 | 02h07

A forte alta do preço do tomate e da cebola levou o Bar dos Amigos Perdizes, na capital paulista, a cobrar a salada separadamente do prato principal. A lanchonete também aumentou em R$ 4 a feijoada, trocou lombo assado por cupim e passou a gastar o dobro para comprar picanha.

"Quando o cliente pede salada com tomate e cebola, são cobrados R$ 2 à parte", diz a proprietária Thais Pereira Caetano. Para evitar mais cobranças, a lanchonete decidiu intercalar o prato tradicional de salada, servido três dias da semana, com outro preparado com cenoura, beterraba, alface e couve. Thais conta que chegou a pagar R$ 8 no quilo do tomate, que antes custava R$ 2. Já a cebola saltou de R$ 1,69 para R$ 8.

Há três anos, quando abriu a lanchonete, Thais vendia, em média, 60 almoços. Desde o início do ano, o número caiu quase pela metade. Segundo a proprietária, a queda ocorre porque muitas pessoas passaram a levar a refeição feita em casa para o trabalho, justamente por causa do aumento dos preços.

Ela também reclama do preço das carnes e de custos fixos, como energia elétrica e água. No caso das carnes, a proprietária conta que antes gastava R$ 600 com cortes de picanha, e agora precisa desembolsar R$ 1.200 com a mesma quantidade. "O prato de picanha não tem mais saída, porque está muito caro, e nem sempre posso repassar o preço para o cliente", lamenta.

O pequeno negócio de Thais, que emprega dois funcionários, também está sofrendo com a alta da energia elétrica. Desde o início do ano, a conta saltou de R$ 600 para R$ 900. Segundo o IBGE, a conta de luz subiu, em média, 58,5% nos últimos 12 meses.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Inflaçãoalimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.