Para ter uma vida melhor

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Conteúdo Patrocinado

Para ter uma vida melhor

Planejamento financeiro deve estar associado aos objetivos do investidor

Guide Investimentos, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

09 de novembro de 2020 | 09h46

Levantamento realizado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) mostra que ano passado 84,2% dos brasileiros guardavam seus recursos na tradicional caderneta de poupança. Tão importante quanto guardar dinheiro é saber qual finalidade será dada aos recursos. O planejamento financeiro ajudar a definir melhores estratégias e até a buscar maneiras de conseguir novas fontes de renda, mas ele tem que ser feito e associado aos objetivos de vida. 

“No fim do dia, ter dinheiro pelo dinheiro não vai te trazer satisfação. Você tem que pensar quais são seus objetivos, o que te faz feliz, e utilizar dinheiro como um propulsor para ter uma vida melhor. Quanto melhores as relações com família, amigos e saúde, mas dinheiro você vai gerar, porque vai trabalhar mais feliz”, diz Fernando Cardozo, presidente da Guide Investimentos. O executivo acrescenta que as gerações mais novas têm uma visão diferente do dinheiro e usam de maneira a conseguir alcançar seus objetivos de vida.

É verdade que até pouco tempo atrás o Brasil tinha uma taxa de juros bastante alta, e bastava deixar o dinheiro em uma aplicação qualquer que já se conseguia um bom retorno. Mas o mercado mostra que isso acabou, e quem quiser ter bons resultados vai ter que fazer algum planejamento financeiro e investir melhor em ativos que trazem melhor retorno, alongar investimentos.

“Com essa Selic baixa, o investidor precisa tomar um pouco mais de risco, e a dúvida é como fazer isso. Neste momento não é só conhecer os ativos e migrar sua carteira para a renda variável. É importante manter parte na renda fixa”, diz Leonardo Uram, head de Gestão da Guide Investimentos. Para ele, essa migração deve ser feita aos poucos para o investidor ir se acostumando e montando a sua carteira ideal.

Dato Netto, estrategista-chefe da Eleven Financial Research, considera que o componente fiscal tem um aspecto de risco importante. Segundo ele, não são esperados um estouro na taxa de juros ou a volta ao patamar antigo, mas ele acredita que deva ocorrer um ajuste. “Isso não significa que não haja oportunidades. É uma falácia falar que a renda fixa morreu porque os juros estão baixos. Juro é zero no mundo inteiro, e renda fixa é o mercado mais líquido do planeta. O que é preciso agora é ser mais seletivo e saber como cada ativo compõe o portfólio”, diz Netto.

Ouça o podcast Guide Investimentos - Quanto vale seu dinheiro?

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.