Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Para Trichet, economia global está em 'ponto de inflexão'

Presidente do BCE ressalta 'melhora substancial' no mercado, mas alerta: 'continuamos em águas desconhecidas'

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

11 de maio de 2009 | 12h16

A atividade econômica global está em um ponto de virada, mas os presidentes de bancos centrais no mundo não devem baixar a guarda, afirmou o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

"Nós estamos, no que diz respeito ao crescimento, em torno do ponto de inflexão do ciclo" e a desaceleração econômica internacional está diminuindo, disse Trichet, falando como presidente do Encontro de Economia Global, no Banco para Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês).

 

"Houve melhora substancial nos mercados desde meados de setembro (de 2008). Mas temos que continuar bastante alertas", acrescentou ele. "Continuamos em águas desconhecidas."

 

Presidentes de bancos centrais e formuladores de política devem cuidadosamente considerar a maneira de retirar as medidas especiais de estímulo lançadas durante a crise financeira, alertou Trichet.

 

"Uma estratégia de saída, ou o caminho para um modo sustentável, é absolutamente essencial. É parte essencial da confiança hoje e tem sido o tema deste encontro (de bancos centrais)", disse Trichet.

 

Separadamente, o membro do conselho do BCE Miguel Angel Fernandez Ordonez indicou que a zona do euro já viu o pior da recessão. "Há sinais de que o pior ocorreu no primeiro trimestre", disse ele a repórteres nos bastidores do encontro do BIS.

 

O presidente do Banco Central da Islândia, Harald Oygard, por sua vez, afirmou duvidar que a economia mundial vai se recuperar tão rapidamente quanto muitos economistas esperam e os mercados acionários globais indicam. "Eu ficaria surpreso se essa enorme curva em forma de V que agora quase parece ser o consenso das previsões... se materializar", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.