Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Para Unica, energia de usinas pode evitar apagão elétrico

O presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), Marcos Jank, disse hoje durante fórum sobre meio ambiente em Sertãozinho (SP), que nem as usinas do Rio Madeira e a possível construção da usina nuclear de Angra 3 são a solução para o apagão energético previsto para 2011. Ele defende que a saída para cobrir o déficit elétrico, projetado de 1.400 MegaWatts (MW), seria o uso de termelétricas a carvão, gás ou óleo combustível, "que sujariam a matriz energética" ou da bioeletricidade a partir da queima do bagaço da cana. Jank ressaltou que cada unidade de co-geração pode ficar pronta em 24 meses e que a maioria dos projetos está na região Centro-Sul, no "coração do sistema gerador e consumidor de energia".Dados da Unica apontam que as usinas sucroalcooleiras poderiam ampliar os atuais 2.000 MW de capacidade instalada de geração de energia para valores entre 4.000 e 7.000 MW até 2011 e atingir 9.600 MW em 2015, o que corresponderia a duas vezes a geração de Itaipu ou 15% da energia consumida no País. "Nós podemos cobrir o risco de apagão, mas precisamos que haja uma valoração desse trabalho", afirmou Jank. Ele evitou comentar o pedido feito pelo setor ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o preço pago pela energia co-gerada seja pelo menos o dobro da média atual de R$ 100 por MW. "Os nossos projetos contratados para 15 anos são apenas reajustados pela inflação. Já os projetos de termelétricas a óleo, por exemplo, além do custo social e ambiental, sofrem com as ameaças da valorização do petróleo e da variação cambial", justificou.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

17 de setembro de 2007 | 14h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.