Leonardo Soares/Estadão
Leonardo Soares/Estadão

Pará vai dar 'selo verde' para pecuarista que criar gado em área sem desmatamento

Governo estadual vai cruzar informações de bancos de dados oficiais para rastrear a incidência de desmatamento nas propriedades; mais de 257 mil imóveis serão analisados

André Borges, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2021 | 22h27

BRASÍLIA - O governo do Pará vai passar a cruzar informações de bancos de dados oficiais para rastrear a criação de gado no Estado. A ideia é permitir que, a partir desse levantamento, seja possível verificar onde, efetivamente, determinada cabeça de gado foi criada.

A principal base de dados, segundo Mauro Almeida, secretário do meio ambiente do Pará, serão os mais de 257 mil imóveis inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR) do Estado. Os dados georreferenciados serão cruzados com informações sobre ativos e passivos ambientais de cada propriedade, além de guia de transporte animal.

A ideia é que essa consolidação permita rastrear os fornecedores diretos e indiretos de bovinos e a ocorrência de desmatamento, quer seja nas fases de cria, recria, engorda e abate. “O problema de hoje é que é difícil rastrear essas etapas de cria e engorda. O frigorífico faz esse trabalho da porteira para dentro, mas temos nada antes disso. Esse selo verde passa a atuar nessa etapa”, disse Almeida.

Segundo o governo paraense, o desmatamento ilegal verificado na Amazônia a partir de 2008 se concentra em 15% dos imóveis rurais na região. “Sabemos que são cerca de 20 mil imóveis na região que concentram 80% do desmatamento. Com esses dados nas mãos, poderemos agir de forma mais objetiva.”

O “selo verde” tem parceria com o Centro de Inteligência Territorial (CIT), plataforma online foi desenvolvida pelo Centro de Sensoriamento Remoto (CSR) e o Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais (LAGESA), ambos da Universidade Federal de Minas Gerais. Para identificar a situação ambiental das propriedades e sua produção, a ferramenta integra dados de instituições federais e estaduais (Inpe, Ibama, Semas, Iterpa, Adepará e outras), mapas de imagens de satélites e análises geoespaciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.