Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Paraguai aceita ajuda do Brasil para erradicar aftosa

O governo do Paraguai aceitou a ajuda do Brasil para erradicar a febre aftosa e irá implementar um programa sanitário nos moldes do executado no Brasil, com base nas regras dos países que integram a Bacia do Prata (Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile) que, por sua vez, se fundamentam nas normas do Código Zoosanitário Internacional e do Escritório Internacional de Epizootias (OIE). Em reunião realizada hoje pela manhã, entre o ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, e o ministro da Agricultura do Paraguai, Daríu Baungarten, ficou acertado que os técnicos dos dois países que atuam na área de defesa animal traçarão um plano de emergência ser implementado naquele país.O programa deverá abranger todo o território paraguaio e não somente as áreas de fronteira, segundo informou Pratini de Moraes. O Brasil irá fornecer técnicos, vacinas e atuar no reforço das barreiras sanitárias na região. A intenção é vacinar todo o rebanho bovino do Paraguai, que é de 9 milhões de cabeças, e não apenas os 4 milhões que estão localizados nas áreas de fronteira.Daríu Baungarten disse que por enquanto a aftosa está circunscrita a fazenda São Francisco, no município de Corpus Christi, na província de Canindeyú. Segundo ele, foram encontrados dois animais soro-positivos no rebanho da propriedade, por meio de teste soroepidemiológico realizado pelo Centro Panamericano de Febre Aftosa. No total, foram sacrificados 719 animais nessa propriedade, considerando aqueles que tiveram contato com os dois infectados.A preocupação é evitar a propagação da doença, uma vez que existe trânsito de animais em toda a região. As ações a serem adotadas no plano de emergência serão detalhadas em reunião a ser realizada hoje à tarde no Ministério da Agricultura. O diretor de Defesa Animal do Ministério da Agricultura, João Cavalléro, disse que inicialmente a propriedade onde foi constatada a doença ficará isolada em um raio de até 25 quilômetros, incluindo a zona de foco, a zona de vigilância e a zona de segurança para evitar a contaminação.O ministro Pratini de Moraes disse que o fechamento da fronteira do Brasil com o Paraguai , iniciado no dia 23 de setembro passado (quando houve a suspeita do foco), será mantido até que não existam riscos de contaminação. Como conseqüência, não podem ingressar no Brasil animais vivos suscetíveis à aftosa, produtos e subprodutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.