Paraguai ameaça aplicar "eutanásia" no Mercosul

O Paraguai ameaçou abandonar o Mercosul se o Brasil e a Argentina não interromperem "práticas protecionistas" ou permitirem acordos comerciais bilaterais com países fora do bloco. Em entrevista do jornal Financial Times, o presidente paraguaio, Nicanor Duarte, disse que sem uma reforma profunda, seu país poderá "aplicar o princípio de eutanásia (ao Mercosul) e deixar que pereça, diante da impossibilidade de revitalizá-lo e consertá-lo".Duarte acusou o Brasil e a Argentina de "egoísmo e até hipocrisia". Segundo ele, "junto o Mercosul condena o protecionismo dos Estados Unidos e da União Européia, quando as mesmas práticas persistem entre nós". Ele explicou que o Mercosul fracassou em oferecer os benefícios esperados para os países menores ,Paraguai e Uruguai, que querem maior acesso aos mercados do Brasil e Argentina. "Se não houver opções para nossa economia melhorar, para diversificar nossos mercados para que nos tornemos competitivos, qualquer um de nós poderá desligar o aparato de oxigênio que está mantendo o Mercosul vivo", disse ao FT.Exortando por um "maior espírito de solidariedade" no Mercosul, o presidente paraguaio quer uma "profunda correção, uma reparação histórica" com o Brasil em torno do tratado de Itaipu, que ele qualificou de "um ato de injustiça denunciado por nosso povo e que o Brasil não pode ignorar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.