Marcelo Sayão/Estadão
Marcelo Sayão/Estadão

Paraguai assume Mercosul com promessa de conclusão da parte legal dos acordos com UE e EFTA

O ministro de Relações Exteriores do paraguaio afirmou que quer levar as demais negociações adiante, mas dará 'prioridade estratégica' à conclusão legal desses dois acordos

Bárbara Nascimento e Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2019 | 17h32

BENTO GONÇALVES - O Paraguai assume a presidência pro-tempore do Mercosul, amanhã, com a promessa de tentar fechar os termos legais do acordo com a União Europeia e com a Associação Europeia de Comércio Livre (Efta). Durante reunião de chanceleres na Cúpula do Mercosul, em Bento Gonçalves (RS), o ministro de Relações Exteriores do país, Antonio Rivas Palacios, afirmou que quer levar as demais negociações adiante, mas dará "prioridade estratégica" à conclusão legal desses dois acordos.

"(Queremos) Avançar nas negociações externas, nos acordos em negociação, onde daremos prioridade estratégica à conclusão legal do acordo com a União Europeia e Efta, para assiná-lo durante o semestre da presidência pro-tempore", disse.

Ele afirmou que o Paraguai dará continuidade às negociações com Canadá, Coreia do Sul e Líbano e prosseguirá a tentativa de "aproximação com o sudeste asiático", além de aprofundamento de acordo assinado com Israel.

O ministro disse ainda que o governo paraguaio quer trabalhar para integrar o setor automotivo no bloco, para fortalecer o programa de apoio a micro, pequenas e médias empresas e em iniciativas para empoderamento de mulheres e jovens. Palacios destacou ainda que quer continuar com as discussões sobre revisão da Tarifa Externa Comum (TEC) e "os demais temas pendentes para fortalecimento da união alfandegária". O bloco vive um momento de tensão com as mudanças de governo no Uruguai e na Argentina que ameaçam o andamento dessa discussão.

Em nota, divulgada no fim da tarde, o governo paraguaio prometeu ainda se debruçar para dinamizar assuntos da pauta econômica do Mercosul e diz que o bloco vai "muito além das conjunturas". "O presidente (Mario) Abdo Benítez renova o compromisso do Paraguai com o Mercosul, que vai muito além das conjunturas e se constitui em um âmbito dinâmico em que se constrói uma arquitetura política, econômica e normativa para que, apesar das assimetrias de seus membros, possa seguir avançando conjuntamente", diz o ministério de Relações Exteriores paraguaio em nota.

Palacios defendeu ainda a continuidade dos trâmites para o Fundo para a Convergência Estrutural, cuja renovação foi aprovada em 2015. O fundo destina-se a financiar programas que estimulem a competitividade e a coesão social, "em particular das economias menores e regiões menos desenvolvidas". O Paraguai assume a presidência pro-tempore do Mercosul, amanhã, com a promessa de tentar fechar os termos legais do acordo com a União Europeia e com a Associação Europeia de Comércio Livre (Efta). Durante reunião de chanceleres na Cúpula do Mercosul, em Bento Gonçalves (RS), o ministro de Relações Exteriores do país, Antonio Rivas Palacios, afirmou que quer levar as demais negociações adiante, mas dará "prioridade estratégica" à conclusão legal desses dois acordos.

"(Queremos) Avançar nas negociações externas, nos acordos em negociação, onde daremos prioridade estratégica à conclusão legal do acordo com a União Europeia e Efta, para assiná-lo durante o semestre da presidência pro-tempore", disse.

Ele afirmou que o Paraguai dará continuidade às negociações com Canadá, Coreia do Sul e Líbano e prosseguirá a tentativa de "aproximação com o sudeste asiático", além de aprofundamento de acordo assinado com Israel.

O ministro disse ainda que o governo paraguaio quer trabalhar para integrar o setor automotivo no bloco, para fortalecer o programa de apoio a micro, pequenas e médias empresas e em iniciativas para empoderamento de mulheres e jovens. Palacios destacou ainda que quer continuar com as discussões sobre revisão da Tarifa Externa Comum (TEC) e "os demais temas pendentes para fortalecimento da união alfandegária". O bloco vive um momento de tensão com as mudanças de governo no Uruguai e na Argentina que ameaçam o andamento dessa discussão.

Em nota, divulgada no fim da tarde, o governo paraguaio prometeu ainda se debruçar para dinamizar assuntos da pauta econômica do Mercosul e diz que o bloco vai "muito além das conjunturas". "O presidente (Mario) Abdo Benítez renova o compromisso do Paraguai com o Mercosul, que vai muito além das conjunturas e se constitui em um âmbito dinâmico em que se constrói uma arquitetura política, econômica e normativa para que, apesar das assimetrias de seus membros, possa seguir avançando conjuntamente", diz o ministério de Relações Exteriores paraguaio em nota.

Palacios defendeu ainda a continuidade dos trâmites para o Fundo para a Convergência Estrutural, cuja renovação foi aprovada em 2015. O fundo destina-se a financiar programas que estimulem a competitividade e a coesão social, "em particular das economias menores e regiões menos desenvolvidas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.