Paraguai defende fim da competição entre países do Mercosul

O presidente do Paraguai, Nicanor Duarte - que assume a partir desta sexta-feira a presidência temporária do Mercosul - defendeu em sua apresentação na reunião entre chefes de Estado no Rio, que o programa de trabalho do grupo já não deveria mais "consumir tempo" com travas que impedem a livre comercialização de nossas mercadorias entre os países. "É importante que todos os países deixem de lado a competitividade e garantam cooperação entre si.Por isso é conveniente entrar em uma outra etapa de discussões."Para o presidente do Paraguai, a integração energética entre os países é uma das principais estratégias para a união e tem que priorizar a distribuição das riquezas do subsolo de forma a promover o desenvolvimento dos países. "A integração energética é central para o sucesso do bloco", afirmou. "A exploração de petróleo e gás não deverá favorecer os países maiores em detrimento dos menores. Quando se produzir excedentes, não se pode pensar em outra coisa que não aplicar os ganhos com este excedente no desenvolvimento do próprio país dono das reservas", disse. Para ele, é "ético" que os países paguem o que for "justo" por estas riquezas "retiradas de seus vizinhos" e que os "tratados entre ambos sejam equânimes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.