Paraguai está livre da febre aftosa

A Organização Internacional de Saúde Animal (OIE) concedeu novamente o certificado de país livre de aftosa com vacinação ao Paraguai, condição que o país havia adquirido em janeiro do ano passado. A revalidação do certificado desmistifica a crença, não assumida oficialmente mas difundida entre pecuaristas e associações de produtores brasileiros e argentinos, de que o país vizinho teria sido o responsável pelo ressurgimento da aftosa em seus territórios. Brasil e Argentina tiveram casos da doença a partir de outubro do ano passado. Os focos de aftosa surgidos no Mato Grosso do Sul - e depois estendidos ao Paraná, que ainda contesta a contaminação de seu rebanho - estavam próximos à fronteira com o Paraguai, onde o trânsito de animais ocorre sob controle deficiente. Essa deficiência será superada com o monitoramento via satélite do rebanho numa faixa de 10 quilômetros da fronteira, sistema que é instalado sob supervisão do Ministério da Agricultura. A confirmação da ausência da aftosa em território paraguaio foi feita durante a assembléia anual da OIE, que se realiza em Paris, na França. O organismo internacional também concedeu ao Paraguai o status provisório de país livre da encefalopatia espongiforme bovina, o "mal da vaca louca". A certificação permanente será concedida dentro de um ano se não surgir nenhum caso dessa doença, explicou o vice-ministro de Pecuária do Paraguai, Gerardo Bogado. Momento estratégico A confirmação de que está livre da aftosa ocorre num momento estratégico, pois o Paraguai será inspecionado nas próximas semanas por técnicos da União Européia. A inspeção determinará se o país poderá exportar para os europeus. O maiores clientes dos paraguaios passaram a ser os chilenos, que, com o surgimento da aftosa no Brasil, suspenderam totalmente a importação da carne bovina brasileira em outubro do ano passado. Exportação e faturamentoO Paraguai exportou 130 mil toneladas de carne bovina em 2005, faturando US$ 350 milhões, e estima exportar este ano 200 mil toneladas, com faturamento de US$ 100 milhões a mais. O governo paraguaio inicia os procedimentos para poder exportar aos Estados Unidos. Este texto foi alterado às 14h51. O Paraguai foi considerado país livre de aftosa com vacinação, e não sem, como escrito anteriormente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.