Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

'Paraísos fiscais' concentram investimentos brasileiros no exterior

Considerando os dez principais destinos de recursos de brasileiros, 66% do dinheiro foi aplicado em locais considerados paraísos fiscais pela Receita Federal

Eduardo Rodrigues e Fabrício de Castro , O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2021 | 12h06

BRASÍLIA - Considerando os dez principais destinos de recursos de brasileiros, 66% do dinheiro foi investido em locais considerados paraísos fiscais ou têm regimes privilegiados, segundo classificação da Receita Federal. De acordo com o Banco Central, o estoque de recursos investidos fora do País passou de US$ 385 bilhões em 2019 para US$ 411,5 bilhões em 2020.

O principal destino desses recursos passou a ser os Países Baixos, que atualmente é classificado pelo fisco brasileiro como regime fiscal privilegiado no caso das “holding companies" que não exerçam atividade econômica substantiva. A participação do país europeu no saldo de investimentos brasileiros diretos no exterior passou de 20,7% para 21,2%, com um total US$ 87,4 bilhões. 

Com isso, os Países Baixos ultrapassaram o paraíso fiscal das Ilhas Cayman, cuja fatia recuou de 22,3% para 16,9% no ano passado, aos US$ 69,7 bilhões. Ilhas Virgens Britânicas e Bahamas aparecem na sequência, com 14,7% (US$ 60,5 bilhões) e 13,% (US$ 53,5 bilhões), respectivamente.

Os Estados Unidos aumentaram sua participação como destino desses recursos de 5,7% para 9,5% e agora registram o quinto maior saldo de investimentos brasileiros, com US$ 39,204 bilhões. No caso dos EUA, a Receita brasileira considera como regimes privilegiados as Limited Liability Companies (LLC) estaduais.

Em sexto lugar aparece o primeiro destino não listado pela Receita: Luxemburgo recebeu US$ 39,2 bilhões de investimentos brasileiros diretos, 5,7% do total. Desde 2011, o pequeno país europeu saiu da lista de regimes privilegiados do Fisco.

Completam o top 10 desse ranking a Áustria (regime privilegiado), Panamá (paraíso fiscal), Espanha (regime privilegiado) e Reino Unido - sem alterações nas posições em relação a 2019.

Para compor a lista de paraísos fiscais, a Receita Federal considera os países ou dependências que não tributam a renda ou que aplicam alíquota inferior a 20%. O Fisco considera ainda as legislações internas que não permitem acesso a dados sobre a composição societária de pessoas jurídicas ou a sua titularidade. Atualmente, a lista conta com 61 paraísos fiscais e 12 países com regimes privilegiados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.