Paralisação faz confiança do consumidor em junho chegar ao menor nível em 10 meses

Paralisação faz confiança do consumidor em junho chegar ao menor nível em 10 meses

Greve dos caminhoneiros levou índice medidos pela FGV a cair 4,8 pontos em junho ante maio, para 82,1 pontos, o menor nível desde agosto de 2017

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 09h36

RIO - A confiança do consumidor recuou 4,8 pontos em junho ante maio, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) passou de 86,9 pontos em maio para 82,1 pontos em junho, o menor nível desde agosto de 2017 (81,4 pontos).

+ Com greve dos caminhoneiros, recuperação da economia deve ser mais lenta, diz Banco Central

+ 'Prévia' da inflação chega a 1,11%, maior taxa para junho desde 1996

"A greve dos caminhoneiros do final de maio contribuiu para o aprofundamento da tendência de queda da confiança que se desenhava nos meses anteriores. Com perspectivas negativas sobre o mercado de trabalho, as famílias vão se tornando bastante conservadoras com os gastos, o que deve impactar negativamente o crescimento econômico no segundo semestre. Para compensar, o governo anunciou a liberação de recursos do PIS/PASEP, o que pode atenuar a onda de pessimismo das famílias brasileiras", avaliou Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor no Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota.

+ Para transportadoras, tabela não está em vigor

Em junho, o Índice de Situação Atual (ISA) recuou 5,4 pontos, para 71,8 pontos, o menor nível desde setembro de 2017. Já o Índice de Expectativas (IE) caiu 4,2 pontos, para 90,0 pontos, o patamar mais baixo desde agosto de 2017.

O componente que mede o grau de satisfação com a economia em geral no momento atual caiu 4,6 pontos em junho. O otimismo em relação à economia nos próximos seis meses caiu 4,5 pontos no mês.

Quanto à satisfação dos consumidores com a situação financeira no momento, houve queda de 5,9 pontos. Os consumidores projetam ainda piora da situação financeira das famílias nos próximos meses, com recuo de 3,7 pontos. A intenção de compras de bens duráveis encolheu 3,8 pontos em junho.

Houve redução na confiança nas quatro faixas de renda pesquisadas. O destaque negativo ocorreu na classe de renda mais baixa, que recebe até R$ 2.100,00 mensais, com queda de 7,7 pontos na confiança, influenciada pela deterioração das avaliações sobre a situação atual.

A Sondagem do Consumidor coletou informações de 1.989 domicílios em sete capitais, com entrevistas entre os dias 1 e 21 de junho.

 

Mais conteúdo sobre:
greve óleo diesel caminhoneiro inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.