Paraná não aceita adotar medidas sanitárias contra aftosa

O secretário da Agricultura do Paraná, Orlando Pessuti, disse que o estado não vai aceitar a proposta feita pelo Ministério da Agricultura de adotar medidas sanitárias como se o Estado tivesse a febre aftosa.De acordo com Pessuti, essa proposta já está em minuta e foi apresentada a ele em reunião em Brasília. Segundo ele, não está descartada a possibilidade de o Paraná recorrer à Justiça caso o Ministério transforme em nota técnica a minuta.SP reduz embargo à carne do MS e do PRO governo do estado de São Paulo reduziu o embargo a animais e produtos vindos do Mato Grosso do Sul e do Paraná, adotado por causa do risco de febre aftosa. Os municípios do Mato Grosso do Sul que permanecem como áreas de risco são Eldorado, Mundo Novo e Japorã e parte das cidades de Iguatemi e Itaquiraí.No caso do Paraná, a restrição continua válida para 12 cidades - Amaporã, Astorga, Faxinal, Grandes Rios, Igaraçu, Loanda, Maringá, Marialva, Ortiqueira, Platina do Paraná, Rosário do Ivaí e Sarandi).A medida foi publicada no Diário Oficial do Estado e estabelece ainda os corredores sanitários e barreiras em rodovias. Em São Paulo, a campanha de vacinação contra a febre aftosa terminou no dia 30 de novembro. Os criadores têm até 7 de dezembro para comprovar a vacinação. Em maio passado, São Paulo vacinou 99,41% de um rebanho de 13,6 milhões de cabeças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.