Paranapanema anuncia investimento de US$ 55 milhões

O Grupo Paranapanema, controlado por um pool de fundos de pensão liderados pela Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil - Previ, vive um momento muito bom, resultado de medidas de reestruturação adotadas, segundo o seu presidente Geraldo Haenel, que anuncia investimentos de US$ 55 milhões para 2005. Os preços dos metais provocaram um aumento de 126% na ação da companhia, que voltou a ter um bom desempenho na Bovespa, embora ainda não tenha recuperado a sua posição de referência do mercado, como na década de 80, quando tinha à sua frente a Família Lacombe.Hoje, com receita superior a R$ 2,5 bilhões, o Grupo Paranapanema é formado por quatro divisões: Mamoré (estanho e minerais industriais), Cibrafértil (fertilizantes), Caraíba (cobre e subprodutos), e Eluma (tubos e conexões de cobre e outras ligas). Até o final deste mês, deverá sair o seu balanço final de 2004.Analistas observam o mercado em alta nos preços de metais como cobre e estanho, agora em 2005, graças à manutenção da demanda aquecida. O mercado acredita que a média dos preços dos metais será maior este ano do que em 2004.Geraldo Haenel contou que a Paranapanema realiza agora uma parada técnica na Caraíba Metais, para manutenção e para permitir que se acabe com os gargalos de algumas áreas, o que vai possibilitar um acréscimo na sua capacidade produtiva que deve chegar a cerca de 250 mil toneladas anuais, um aumento gerado por investimentos estimados em US$ 40 milhões. Já a Eluma vai elevar sua produção em 20% e para isto vai investir este ano US$ 3 milhões. Na Cibrafértil, o investimento será de US$ 1 milhão ampliando a produção de 180 mil toneladas para 190 mil toneladas anuais. Finalmente na Mamoré, o investimento vai chegar a US$ 11 milhões, com um aumento expressivo em sua produção que pode chegar a mais 50%.O presidente do Grupo também salientou que as vendas internas são importantes, mas que a Paranapanema também é boa exportadora. "No ano passado chegamos a US$ 350 milhões e neste ano devemos exportar mais de US$ 400 milhões", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.