AGU/Divulgação
AGU/Divulgação

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsonaro faz aceno à PF e reconhece paridade de aposentadorias de policiais federais

Categoria já vinha cobrando a edição desse parecer ao órgão; nas redes sociais, Bolsonaro comentou que assinou a medida

Sandra Manfrini e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2020 | 21h14
Atualizado 17 de junho de 2020 | 22h42

BRASÍLIA - A Advocacia Geral da União (AGU) deu parecer que reconhece a integralidade e paridade das aposentadorias dos policiais federais, rodoviários federais, legislativos e civis do Distrito Federal. O parecer foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e está publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) que circula nesta quarta-feira, 17.

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) vinha cobrando a edição desse parecer à AGU, para que tivessem garantido o direito à paridade e integralidade das aposentadorias e pensões. O benefício consta na Emenda Constitucional 103/2019, que estabeleceu as novas regras da Previdência.

Bolsonaro tem policiais na sua base eleitoral. Ainda durante a campanha, ele já tinha apoio de policiais civis e militares, que faziam trabalho “voluntário” para ele atuando como seguranças em suas viagens pelo País. No governo, Bolsonaro já adotou várias medidas para beneficiar a categoria, empoderando policiais e contrariando governadores que estão sem caixa para bancar reajustes.

O agrado comemorado pelos policiais ocorre no momento em que o presidente é alvo de investigação por suspeita de interferência da PF. O inquérito foi aberto no Supremo Tribunal Federal, depois de denúncias do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Por diversas ocasiões, representantes da Fenapef afirmaram desconhecer qualquer interferência política do presidente no órgão, declarações que ecoam a linha de defesa de Bolsonaro. Além dele, ministros e aliados políticos, como parlamentares e ativistas, são alvo dos inquéritos das fake news e dos atos antidemocráticos.

No parecer publicado hoje, a AGU conclui que os policiais civis da União que ingressaram nas respectivas carreiras até 12/11/2019, quando da implementação dos requisitos, fazem jus à aposentadoria com proventos integrais (totalidade da remuneração do servidor no cargo efetivo em que se der a aposentadoria).

Os policiais civis da União, ingressos nas respectivas carreiras a partir de 13/11/2019 fazem jus à aposentadoria, com proventos calculados pela média aritmética e reajustados nos termos estabelecidos para o Regime Geral de Previdência Social.

Bolsonaro foi às redes sociais para comentar o assunto. “Assinei parecer do AGU José Levi/André Mendonça reconhecendo a paridade e integralidade dos proventos das PF, PRF, Polícia Civil Polícia Penal ao se aposentarem”, escreveu.

Sindicato

O órgão sindical cobrava desde o ano passado que o governo emitisse um parecer dando garantias aos policiais federais. O governo prometeu cumprir, mas atrasou a edição do documento. Havia um acordo firmado durante a tramitação da reforma da previdência no Congresso Nacional. 

Segundo o presidente da Fenapef, Luís Boudens, a decisão do governo vai uniformizar a aplicação das novas regras da previdência, garantindo os direitos previstos para quem entrou nas polícias até a emenda constitucional da reforma da previdência. 

“Abrimos mão de algumas questões para que houvesse um alinhamento de todos os tipos de aposentadoria. O parecer traz clareza sobre as questões de integralidade e paridade” disse Boudens.

Ele explica que há três grandes grupos de policiais que ingressaram na PF e que para os dois últimos, concursados pós-2003 e pós-2013, havia regras diferentes de aposentadoria. Nos mais recentes, eles eram obrigados a aderir ao regime complementar da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (FUNPRESP) e não entravam no regime geral dos servidores. Com o parecer todos ficam submetidos às mesmas regras.

Segundo ele, os processos de aposentaria encaminhados na PF desde o início do ano estavam travados e agora poderão ser retomados, pois antes havia risco de confusão na interpretação do texto da emenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.