Antonio Lacerda|EFE
Antonio Lacerda|EFE

Selic a 2%

Rentabilidade real da poupança entra no negativo. E-Investidor aponta alternativas

Parente diz que permanência na Petrobrás depende de resultado da eleição presidencial

Presidente da companhia afirmou ainda que 'uma série de pesquisas' mostram que a população brasileira não quer a privatização da estatal

Gabriela Korman e Luana Pavani, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2018 | 17h07

O presidente da Petrobrás, Pedro Parente, afirmou nesta terça-feira, 23, que, dependendo do resultado das eleições presidenciais no Brasil em 2018, pode considerar permanecer no comando da companhia.

Em entrevista à Bloomberg TV, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, Parente disse que está "sendo muito cuidadoso" em estipular expectativas sobre o tema de se manter à frente da estatal e que a equipe está correndo para atingir a meta de vendas de ativos.

O executivo reiterou que a Petrobrás não sofreu interferência do governo e que acredita que a gestão da companhia deve ser decidida através de indicação profissional, não política. Na entrevista, ele c Petrobrás.

Energia. Mais cedo, ao participar nesta terça-feira de um painel denominado "Perspectiva Estratégica: sistemas de energia", em Davos, Parente disse que a companhia está atenta à inovação em sistemas de energia. "Inovação é importante, não apenas no uso da energia mas, também, na geração", afirmou o executivo.

Como exemplos de inovação nas operações da estatal de petróleo, Parente apontou citou técnicas de extração com menor emissão de CO2 e esforços para evitar vazamentos.

Em outro momento do debate, o executivo citou que está levantando um fundo de investimento para contratar empresas menores, "para ter resposta mais rápida e melhores ideias para novos modos de gerar energia".

Parente fez um breve resumo do que considera ser importante para alcançar os objetivos climáticos e de eficiência energética, tanto do ponto de vista da companhia como do setor de óleo e gás. 

"Quando olhamos para empresas do setor de óleo e gás, é muito importante (haver) inovação e digitalização, redução de pegada de carbono e novas formas de energia limpa. E as mudanças necessárias não serão feitas de forma individual mas coletiva e incremental", afirmou. 

Em seguida, mencionou que a Petrobrás pretende aderir ao Oil and Gas Climate Initiative, e que será uma oportunidade de discutir com a indústria ações no âmbito de mudanças climáticas. "Para grandes companhias é às vezes difícil mudar o jeito de pensar. Mas ao menos estamos atentos às demandas da sociedade", concluiu.

A mesa redonda com especialistas versou sobre temas como transição para fontes alternativas de energia, esforços para atingir metas globais de redução de emissão de poluentes e iniciativas públicas em conectividade do tipo "smart city". Também participaram do painel Piyush Goyal, ministro de ferrovias e carvão da India; Ignacio Sánchez Galán, chairman e CEO da Iberdrola; Jean-Pascal Tricoire, chairman e CEO da Schneider Electric; e Rachel Kyte, representante da organização para energia sustentável SEforAll, com mediação da jornalista Bronwyn Nielsen, da CNBC África.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.