Thanassis Stavrakis/AP
Thanassis Stavrakis/AP

Parlamento grego analisa nesta quinta terceiro pacote de socorro

Tsipras vai precisar do apoio de deputados da oposição para aprovar uma série de 35 reformas até 2018

Andrei Netto, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2015 | 05h00

PARIS - O Parlamento da Grécia deve votar nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira o pacote de resgate de € 85 bilhões selado entre o governo do primeiro-ministro Alexis Tsipras e a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI). 

O premiê deve mais uma vez contar com o apoio de deputados da oposição de partidos de centro e direita para aprovar o memorando, que prevê uma série de 35 reformas e medidas de austeridade até 2018. 

Ontem, o governo enviou ao Parlamento o texto do acordo de resgate. Mais uma vez o entendimento provocou racha na Coalizão Radical de Esquerda (Syriza), partido de Tsipras. Ainda assim, o primeiro-ministro demonstrou confiança na aprovação. “Apesar dos obstáculos que alguns querem colocar diante de nós, estou otimista de que vamos chegar a um acordo de empréstimo da parte do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), que colocará um fim à incerteza econômica”, afirmou o premiê, ao final de uma reunião com ministros da área econômica.

Tsipras também fez novas críticas indiretas a governos europeus que viram com ceticismo o acordo sobre o novo programa de resgate. “Alguns gostariam de usar a Grécia como pretexto para reordenar a zona do euro. Vamos provar que os que duvidam de nós estão errados e vamos reconstruir o país.”

A aposta de vitória na votação no Parlamento, entretanto, pode custar caro a Tsipras. Em Atenas, cresce a probabilidade de um racha formal no Syriza, o que daria origem a um novo partido de esquerda radical, com 30 a 40 deputados - o suficiente para acabar com a maioria que o premiê tem no legislativo. Ontem, o deputado e ex-ministro Costas Isichos afirmou que a vitória no novo memorando no Parlamento pode levar a um “divórcio imediato”. “Nós estamos enfrentando desenvolvimentos políticos maiores, nos quais o front do ‘não’ pode tomar forma”, advertiu. 

Caso a base de sustentação de fato rache, Tsipras será obrigado a convocar novas eleições legislativas, o que poderia acontecer até setembro. Outro percalço no caminho do acordo é a necessidade de aprovação pelos parlamentos nacionais. Ontem o porta-voz do governo da Alemanha, Steffen Seibert, afirmou que ainda não há previsão de quando o o legislativo em Berlim poderá avaliar o acordo. Já em Paris, a análise só deve ter caráter simbólico.

Para lembrar. O plano de resgate firmado na terça-feira por Atenas, Bruxelas e Washington é o terceiro que a Grécia assinará desde 2010. 

Nos dois primeiros, o valor chegou a € 240 bilhões, mas não impediram o default de pagamentos ocorrido em 1.º de julho, o primeiro calote da história de um país desenvolvido em todo o mundo.

Na terça-feira, negociadores europeus confirmaram que os credores internacionais - Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional - querem chegar a um acerto antes do dia 20. 

Para tanto, é preciso buscar a um consenso também sobre os termos do reescalonamento da dívida da Grécia, de cerca de € 320 bilhões e considerada insustentável por Atenas e também pelo FMI. 

Tudo o que sabemos sobre:
crise na grécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.