Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Parou de piorar

As contas externas já não estão piorando com a mesma rapidez de há alguns meses, mas é cedo para concluir que a recuperação seja sustentável.

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2014 | 02h05

A principal surpresa positiva é a manutenção de forte entrada de capitais por meio do Investimento Estrangeiro Direto (IED). Só em março, foram quase US$ 5 bilhões. O Banco Central espera que esses recursos cubram pelo menos 80% do rombo em Conta Corrente, que é tudo o que o País gasta e recebe em moeda estrangeira, excluídos os movimentos de capital.

Sem ter sido tão surpreendente, também tem sido forte a entrada de dólares destinada a aplicações financeiras no Brasil. No primeiro trimestre do ano passado, entrou nessa conta apenas US$ 1,5 bilhão; no primeiro trimestre de 2014, foram US$ 12,2 bilhões. O governo prefere dizer que este é um sinal de confiança dos investidores estrangeiros na política econômica. Não é bem assim. Esses são capitais de curto prazo que vêm para aproveitar os juros altos vigentes aqui, as chamadas operações de arbitragem com juros. Há dois anos, o governo condenava essas operações e chegou a desestimulá-las com taxação por meio do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Agora, que precisa de mais dólares, prefere festejá-las. Esses recursos são como patos assustados, sempre prontos para levantar voo a qualquer barulho suspeito. Por isso, já é menor a qualidade da cobertura do rombo externo.

A conta-chave é a Balança Comercial (exportações menos importações). Os produtos brasileiros de exportação vêm perdendo preço e enfrentam a baixa competitividade da indústria nacional. Mas as importações vêm caindo menos que as exportações, em consequência do ainda forte consumo interno e da baixa demanda externa, especialmente da União Europeia e da Argentina.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso Ming

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.