Participação da indústria no crédito está estagnada, diz CNI

Setor privado industrial representava 21,2% do crédito em julho de 1991 e o índice permanecia em 21,3% em julho de 2010, segundo estudo 

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

17 de setembro de 2010 | 14h21

Estudo divulgado nesta sexta-feira, 17, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que a participação do setor no crédito do sistema financeiro nacional está estagnada há praticamente duas décadas. De acordo com a nota Indústria Brasileira em Foco, o setor privado industrial representava 21,2% do crédito em julho de 1991 e em julho de 2010 o índice continua em 21,3%.

No mesmo período, a participação das pessoas físicas no total do crédito nacional saltou de 2,9% para 32,5%. De acordo com o estudo, a participação da indústria chegou a superar a marca dos 30% em 2002, mas vem caindo desde então, apesar do aumento nos valores dos empréstimos no período.

Para o economista da CNI, Danilo Garcia, os bancos dão prioridade à oferta de financiamentos para as famílias, porque as taxas de juros cobradas nessas modalidades são maiores. Além disso, a crise financeira internacional diminuiu ainda mais a destinação do crédito às empresas, devido aos riscos de inadimplência. "Nas crises, os bancos ficam menos propensos a emprestar. A falta de crédito foi um dos principais efeitos negativos da crise internacional na indústria brasileira", afirmou em nota.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIcréditofoco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.