Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Participação de importados no consumo dos brasileiros tem maior nível desde 2007

Os produtos importados correspondem a 22,3% dos itens consumidos no primeiro trimestre de 2015, segundo dados da CNI; já a exportação de produtos brasileiros está estagnada

Rachel Gamarski, Agência Estado

14 Maio 2015 | 12h46

BRASÍLIA - Os produtos importados tiveram 22,3% de participação no consumo dos brasileiros no primeiro trimestre de 2015, segundo divulgou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O resultado é o maior desde 2007 e mostra um aumento de 0,6 ponto porcentual ante mesmo período de 2014 e 0,3 ponto em relação ao último trimestre do ano passado. Os insumos exportados representaram 19,1% da produção, de acordo com o estudo Coeficientes de Abertura Comercial publicado nesta quinta-feira, 14.

De acordo com a pesquisa, enquanto a venda de produtos para fora do País está estagnada, a compra de insumos de outros países não para de crescer. "Isso confirma que as exportações brasileiras enfrentam dificuldades para se recuperar, porque, além da desaceleração da demanda externa, há a falta de competitividade dos produtos brasileiros", diz a economista da CNI, Samanta Cunha.

As exportações se mantiveram estáveis em relação ao mesmo período do ano passado, indicou a entidade. "O indicador tem oscilado neste patamar desde o último trimestre de 2013". A indústria de transformação apresentou uma pequena recuperação nas exportações passando para 15,6% ante 15,3% nos três meses anteriores. A importação de produtos estrangeiros no setor sustentou a alta com uma participação de 20,6% e um aumento de 0,2 ponto porcentual comparada ao trimestre anterior.

Na indústria extrativa, a exportação foi responsável por 69,2% com uma elevação de 4,1 pontos porcentuais em comparação ao ano anterior. A participação dos insumos importados no setor cresceu pelo terceiro trimestre seguido, atingindo 57,9%.

Mais conteúdo sobre:
economia importados consumo CNI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.