Participação estrangeira e volume caem na Bovespa

Os investimentos estrangeiros perderam representatividade no volume total negociado na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em junho. A afirmação se baseia em dados divulgados nesta quarta-feira pela Bolsa, mostrando que no período essa participação foi de 37,6%, contra 40,66% do mês anterior. Apesar da diminuição, o investimento estrangeiro continua sendo líder na movimentação total.Não foi somente a participação estrangeira que teve queda. O volume financeiro total de junho foi de R$ 47,1 bilhões, diminuição de 27% em relação aos R$ 65,1 bilhões registrados em maio. As médias diárias financeiras de junho somaram R$ 2,2 bilhões e 81.984 negócios, ante R$ 2,9 bilhões e 97.650 em maio. As ações que registraram maior giro financeiro foram Petrobras PN, com R$ 5,92 bilhões; Vale R Doce PNA, com R$ 4,18 bilhões; Bradesco PN, com R$ 2,07 bilhões; Usiminas PN, com R$ 1,91 bilhões; e Itaubanco PN, com R$ 1,71 bilhões.Em questão de representatividade, seguindo os investidores internacionais, vieram os institucionais, com participação de 25,96%, contra 26,84% de maio. As pessoas físicas ocuparam a terceira posição, com 22,88%, ante 23,76% do mês anterior. Na seqüência, ficaram as instituições financeiras, com 9,06%, ante 12,17%; as empresas, com 3,08%, ante 1,50%; e o grupo outros, com 1,43%, contra 0,15% em maio.O mercado à vista respondeu por 94,1% do volume financeiro total em junho, seguido pelo de opções, com 2,8%, e pelo mercado a termo, com 3,1%. O after market negociou cerca de R$ 131 milhões, com 16.281 negócios, ante R$ 214 milhões de maio, com 25.962 operações registradas no período anterior.Ibovespa O Ibovespa (que mede as ações mais negociadas) encerrou o mês com alta de 0,2%, a 36.630 pontos, acumulando variação de 9,4% em 2006. As ações que atingiram as maiores altas foram Contax PN (+19,5%), Brasil T Par ON (+14,2%); Tim Part S/A ON (+10,2%), Eletrobras PNB (+10%) e Eletrobras ON (+9,3%). No mesmo período, as maiores baixas foram registradas pelas ações Brasil ON (-11,0%); Telemar PN (-8,0%); Telemar ON (-7,9%); Vivo PN (-7,7%); e Telemig Part PN (-7,1%). Também encerraram o mês de junho em alta os seguintes índices: IEE (+2,1%, a 11.268 pontos); IVBX-2 (+1,3%, a 3.758 pontos); ITEL (+0,9%, a 832 pontos); ISE (+0,2%, a 1.122 pontos); IGC (+0,2%, a 4.080 pontos); e ITAG (+0,2%, a 5.475 pontos). Apresentaram leve queda no período o IBrX-100 (-0,4%, a 11.830 pontos) e o IBrX-50 (-0,3%, a 5.319 pontos).Em junho, três debêntures (título de renda fixa emitido por sociedade anônima para tomar empréstimo no mercado), um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) e um Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) iniciaram negociação nos mercados de renda fixa da Bovespa. O volume financeiro do mercado secundário totalizou cerca de R$ 94 milhões, ante R$ 171 milhões de maio, somados os negócios realizados no Bovespa Fix e Soma Fix. Desse total, R$ 48 milhões referem-se ao FIDC, R$ 46 milhões a CRIs e R$ 210 mil a debêntures.A Bovespa listou 37 clubes de investimento em junho, elevando para 227 o número de novos registros em 2006. Desde o lançamento do programa de popularização, em setembro de 2002, foram criados 1.171 clubes. No total, a Bovespa lista 1.492 clubes até 30 de junho. No que se refere ao patrimônio líquido, totalizam R$ 7,7 bilhões e reúnem 125,3 mil cotistas, segundo os últimos dados disponíveis, de maio deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.