Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Participação na zona do euro é ‘escolha irreversível’, diz ministro da Grécia

Declaração é uma resposta à notícia publicada pela imprensa local afirmando que o primeiro-ministro grego estaria estudando um referendo sobre se o país deve deixar a união monetária

Álvaro Campos, da Agência Estado,

20 de setembro de 2011 | 14h14

O ministro de Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, afirmou nesta terça-feira, 20, que a participação do país na zona do euro é uma "escolha irreversível". A declaração é uma resposta a uma notícia publicada pela imprensa local afirmando que o primeiro-ministro grego, George Papandreou, estaria estudando um referendo sobre se o país deve deixar a união monetária.

"A participação da Grécia na zona do euro e o euro são uma escolha nacional fundamental e irreversível, que o povo grego está protegendo com seus sacrifícios, a medida que percebe como isso é valioso", disse Venizelos em um comunicado.

Nesta segunda-feira, o jornal grego Kathimerini, citando fontes não identificadas, noticiou que Papandreou esperava que o resultado do referendo daria um novo fôlego para seu governo continuar com a implantação de medidas de austeridade.

Nesta terça, pouco antes de iniciar uma segunda rodada de negociações com a troica de inspetores internacionais que avalia as medidas adotadas pela Grécia, Venizelos afirmou que o país está determinado a resolver seus problemas fiscais. "Nós estamos cientes que nossa situação fiscal e nossa estrutura econômica geram um problema para a zona do euro, que nós estamos absolutamente determinados a resolver com a implementação do programa (de reformas) e o pagamento das nossas obrigações", comentou. A aprovação da troica é essencial para que os gregos recebam a próxima parcela do pacote internacional de resgate. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaEurocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.