Partido da coalizão alemã diz que Grécia pode ter de sair da zona do euro

Saída permitiria ao país a melhora das finanças pela desvalorização de sua moeda, afirma porta-voz do Partido Liberal Democrata

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de abril de 2010 | 08h53

A Grécia pode precisar deixar a zona do euro temporariamente se não conseguir elaborar um plano de austeridade confiável, afirmou Juergen Koppelin, porta-voz do Partido Liberal Democrata (FDP) da Alemanha, que faz parte da coalizão governista. "Não se pode descartar o fato de que a Grécia pode precisar deixar a zona do euro por um tempo", disse Koppelin em entrevista à rádio Deutschlandfunk.

 

Tal saída poderia ser executada sem quebrar o bloco do euro inteiramente, disse Koppelin, e permitiria que a Grécia melhorasse suas finanças ao desvalorizar sua moeda. "A Grécia pode ter uma chance maior para reorganizar seu orçamento se sair da zona do euro por um tempo", afirmou.

 

Koppelin acrescentou que a data de 19 de maio, quando a Grécia precisa fazer um grande pagamento de dívida, é um prazo importante para determinar se os países da zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) vão fornecer um pacote de ajuda emergencial no valor de até 45 bilhões de euros no primeiro ano.

 

A chanceler alemã, Angela Merkel - que afirmou ontem que a saída da Grécia da zona do euro não é uma opção -, e o ministro de Finanças, Wolfgang Schaeuble, têm trabalhado para colocar os políticos do FDP em linha com os planos para aprovar a contribuição de 8,4 bilhões de euros da Alemanha na ajuda à Grécia. Alguns membros do FDP estão mais relutantes em conceder a ajuda e o socorro é profundamente impopular entre os cidadãos alemães. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.