Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Páscoa deve quebrar sequência de quedas nas datas comemorativas

Há dois anos as vendas vêm registrando queda nas principais datas para o comércio varejista

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2017 | 05h00

O varejo pode registrar, na Páscoa, o primeiro crescimento das vendas em uma data comemorativa depois de dois anos. Desde 2015, as vendas da Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia dos Pais e Natal, as datas mais importantes para o comércio, vêm apresentando desempenho negativo.

Para a Páscoa deste ano, projeções indicam que o volume de venda real, descontada a inflação, deverá crescer 1,3% em relação à mesma data de 2016, segundo a Confederação nacional do Comércio (CNC). Será o primeiro crescimento real desde 2014, quando houve um aumento de 2,6% nas vendas.

O avanço é pequeno, mas é um sinal importante, porque indica uma reversão de tendência. “O dado positivo para o varejo é a quebra da sequência de queda nas vendas”, diz o economista sênior da CNC, responsável pelas projeções, Fabio Bentes. Ele acredita que esse movimento não será restrito à Páscoa, mas deve se repetir também em outras datas comemorativas ao longo deste ano.

No caso da Páscoa, Bentes explica que o faturamento deve se concentrar nos hipermercados, supermercados e nas lojas especializadas. A expectativa é que esse segmento do varejo fature neste ano R$ 2,1 bilhões. Como a Páscoa é uma data móvel, isto é, não cai sempre no mesmo mês, o economista explica que fez os ajustes e considerou o desempenho registrado no mês específico em cada ano para as devidas comparações.

Inflação. Boa parte da reação de vendas deve ocorrer por causa da desaceleração da inflação, que amplia o poder de compra do consumidor. Inicialmente, diz Bentes, a expectativa era de estabilidade nas vendas da Páscoa em relação às da mesma data do ano passado. Mas, diante dos indicadores mais favoráveis que começaram a aparecer, especialmente a desaceleração da inflação, as projeções foram revisadas para cima.

O comportamento moderado do produtos e serviços geralmente mais consumidos nesta época do ano fez com que a inflação da “cesta de Páscoa”, apurada pela CNC, registrasse nos últimos 12 meses encerrados em março aumento de 4,6%. É um terço da alta atingida no ano passado (12,3%) e a menor variação para esse grupo de produtos desde 2008 (4,5%). Os cálculos foram feitos com base na prévia do índice oficial de inflação do IBGE, o IPCA-15.

Bentes observa que a variação dos preços da cesta de Páscoa poderia ser menor ainda, se não fosse a mudança da tributação do chocolate. Até 1.º de maio do ano passado, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) do chocolate variava entre R$ 0,09 e R$ 0,12 por quilo. Para aumentar a arrecadação, o produto passou a ser tributado com um alíquota fixa 5% sobre o valor de venda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.