Reuters
Reuters

Covid-19

Quem se recupera antes da crise: Europa ou Estados Unidos?

Passageiros da Latam poderão abrir mão de serviços para baratear as passagens

Novo modelo de negócios da companhia deve ser implementado no primeiro semestre de 2017

Nathália Larghi, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2016 | 17h43

SÃO PAULO - A Latam Airlines, maior companhia aérea da América Latina, anunciou que, a partir de 2017, os preços dos voos domésticos irão variar de acordo com os serviços que o passageiro escolher. No novo modelo de negócios, o cliente informa, por exemplo, se quer ter a opção de fazer uma refeição a bordo ou ainda de remarcar ou cancelar o bilhete. A possibilidade de escolher seu assento, que antes estava automaticamente inclusa, também entra no pacote de serviços que poderão ser dispensados. Abrir mão de algumas dessas "regalias" poderá baratear a passagem em até 20%, prevê a companhia.

A mudança faz parte da estratégia global da empresa para aumentar o volume de passageiros e ser mais competitiva no mercado. Segundo o presidente-executivo da Latam, Enrique Cueto, a empresa espera ter um aumento de até 50% no número de clientes até 2020 com o novo modelo de negócios.

"Como a frequência de voos na região continua sendo muito inferior a de países como os Estados Unidos e a Inglaterra, onde as taxas superam duas viagens anuais por pessoa, a América Latina ainda tem muito potencial de crescimento. Por isso, com esta nova forma de viajar, estima-se um aumento de até 50% no volume de passageiros transportados até 2020, mantendo o Grupo LATAM como um protagonista do crescimento do tráfego aéreo nesta região do mundo", afirmou, em nota, o CEO.

A mudança será implementada gradualmente, a partir do primeiro semestre do ano que vem. A forma como essas passagens flexíveis serão vendidas ainda está em fase de estudo. Além do Brasil, os voos da Argentina, Chile, Colômbia, Equador e Peru também oferecerão compras flexíveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.