Passagens aéreas estão mais baratas

Apesar do reajuste de até 10% no preços das passagens, anunciado no início deste ano pelo setor aéreo, o turista que decidir viajar pelo Brasil durante a alta temporada tem grandes chances de pagar menos do que no mesmo período do ano passado. As companhias oferecem uma grande quantidade de bilhetes promocionais, desde que o passageiro compre com antecedência e não faça questão de viajar em horários nobres, ou a partir de aeroportos centrais. A explicação, segundo especialistas do mercado, é que a liberação dos reajustes pelo governo, decidida em agosto passado depois de muita chiadeira dos empresários do setor, aumentou a margem de manobra das políticas de preços das companhias, que podem ir à forra no passageiro de perfil executivo. Este voa por necessidade e se dispõe a pagar mais para viajar em horários mais nobres."Os reajustes de preço deste ano atingiram só o topo da pirâmide", afirma o vice-presidente de vendas da TAM, Wagner Ferreira, explicando que as tarifas promocionais não foram alteradas. O executivo explica que o impacto do aumento de preços, na média do que é cobrado pelas passagens da companhia, não chegou a 3%. Wagner acredita que a tendência de 2002 é de segmentação dos preços das passagens. Um passageiro consegue, por exemplo, comprar passagem no trecho Rio-São Paulo da TAM, só de ida, por R$ 98,00. Isto, desde que não se incomode em viajar no fim de semana, partindo de Congonhas e descendo no Aeroporto do Galeão, distante do centro do Rio. Em janeiro passado, a tarifa única era a de R$ 208, semelhante à da Varig, que hoje tem o preço mínimo de R$ 186. Gol baixa tarifa no eixo Rio-SPOutra boa notícia é que a nova versão da guerra das tarifas deverá se acirrar nas rotas mais nobres, como a Rio-São Paulo (exclusivamente entre os aeroportos de Congonhas e o Santos Dumont), com a concorrência da Gol e seu conceito ´low cost, low fare´ (custo baixo, tarifa baixa). A empresa começou neste fim de semana a operar os primeiros vôos na rota, por enquanto apenas nos sábados e domingos, mas espera-se que o Departamento de Aviação Civil (DAC) autorize a empresa a operar na rota diariamente a partir de fevereiro.Nos primeiros vôos, os preços têm sido os mesmos cobrados na ligação entre as duas cidades fora dos aeroportos centrais, em média entre R$ 96 e R$ 148 por trecho. Mas a empresa ainda não divulgou quanto cobrará quando regularizar a linha. "O certo é que vamos nos manter dentro da proposta inicial, de oferecer passagens mais baratas que as da concorrência", garante o presidente da Gol, Constantino de Oliveira Júnior. Ano negro e perdasOutra explicação para a generosidade das companhias na elaboração de suas planilhas é a necessidade de estimular o mercado doméstico, depois de um ano negro na área internacional. De acordo com os dados do DAC, em 2001 a demanda por vôos dentro do País cresceu 9,1%, em relação ao ano anterior, enquanto para o exterior houve queda de 6%. Varig e TAM, detentoras de 82,13% e 13,88% de participação nos vôos internacionais, respectivamente, fecharam 2001 no vermelho e estão cortando freqüências e linhas às pressas para estancar os prejuízos. As perdas se devem, sobretudo, à escalada da taxa de câmbio ao longo do ano e aos atentados terroristas nos Estados Unidos em 11 de setembro. Vale lembrar que o dólar é responsável por cerca de 40% de quase todas as despesas do setor, que mantém suas aeronaves por meio de leasing vinculado à moeda norte-americana. Mas a queda na cotação, desde dezembro de 2001, deu fôlego para as companhias iniciarem a disputa pelos turistas.EmpresaFlorianópolis*Rio de Janeiro*Recife*Fortaleza*BRAR$ 102,00R$ 84,00R$ 241,00R$ 260,00Fly - R$ 69,00R$ 315,00R$ 343,00GolR$ 136,00R$ 96,00**R$ 327,00R$ 299,00TAMR$ 143,00R$ 98,00R$ 314,00R$ 299,00VaspR$ 136,00R$ 138,00R$ 405,00R$ 441,00VarigR$ 141,00R$ 186,00R$ 334,72R$ 304,00* Passagem só de ida e não inclui taxa de embarque** Somente nos finais de semana, entre os aeroportos de Congonhas e Galeão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.