24/3/2010
24/3/2010

Passaredo anuncia aquisição de 100% da MAP Linhas Aéreas

Foco da Passaredo são as operações no Aeroporto de Congonhas em São Paulo, segundo o presidente da companhia aérea

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2019 | 15h47

RIBEIRÃO PRETO - A Passaredo Linhas Aéreas anunciou, há pouco, a aquisição de 100% do controle societário da MAP, companhia com atuação no Amazonas e no Pará. O valor do negócio não foi divulgado e o foco da Passaredo, segundo seu presidente, José Luiz Felício Filho, são as operações no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. De acordo com o empresário, como a fatia das duas empresas no mercado brasileiro soma 1%, o negócio não necessita de autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), apenas do comunicado à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Com a recente redistribuição dos slots da Avianca Brasil no aeroporto da capital paulista, a Azul Linhas Aéreas recebeu 15 autorizações, a Passaredo obteve 14 e a MAP, mesmo com atuação exclusiva nos dois Estados da Região Norte, conseguiu 12. Com a incorporação anunciada hoje, a Passaredo terá 26 operações de pouso e decolagem diárias em Congonhas. “A operação dá ganho de escala e sinergia em Congonhas”, disse.

Segundo Felício, com a aquisição, a Passaredo passa a ter 11 aeronaves ATR 72-500, cinco já operadas da empresa com sede em Ribeirão Preto (SP) e seis da MAP. Três aviões da MAP serão remanejados da Região Norte para operar em Congonhas e mais três novas aeronaves devem ser incorporados até o final do ano, elevando a frota para 14.

A Passaredo prevê iniciar os voos em Congonhas em 26 de outubro. Enquanto a Azul priorizou a ponte aérea Rio-São Paulo, os destinos iniciais da companhia regional serão o interior de São Paulo, além de Minas Gerais, Paraná e Mato Grosso do Sul. Até o anúncio dos novos destinos, as companhias seguirão a operação nas 37 cidades atuais atendidas por ambas e não há a previsão de cortes nos postos de trabalho. Entre os novos destinos previstos estão Araçatuba, Bauru e Marília, no Estado de São Paulo, Uberaba (MG), Ipatinga (MG), Dourados (MS) e Ponta Grossa (PR).

“A operação de São Paulo (Congonhas) pode oferecer serviço para o passageiro ir e voltar no mesmo dia para a capital paulista, o que não ocorre atualmente para esse aeroporto a partir de cidades do interior paulista, por exemplo”, afirmou Felício. “As operações (da MAP) no Norte continuam da mesma forma e acredito que após a implementação de Congonhas possamos intensificar a integração da malha, já que temos operações da Passaredo em Tocantins”, completou.

Apesar da dificuldade financeira após o final da recuperação judicial da Passaredo, em 2017, o empresário garante que o financiamento “para a aquisição da MAP e para capital de giro vieram dentro de forma mista, de parceiros operacionais, comerciais e bancos”. Antes da autorização para voar em Congonhas, a Passaredo estimava investir US$ 4,5 milhões, cerca de R$ 18 milhões, para ampliar as operações para a capital paulista.

Além do acordo, a Passaredo anunciou também uma nova identidade visual, a Voepass. Já a MAP Linhas Aéreas, segue, por enquanto, com mesmo nome e operações independentes na região Norte.

Passaredo

Com sede na cidade do interior paulista, a Passaredo opera rotas nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste, com 28 destinos. A companhia da família Felício transportou, em 2018, 570 mil passageiros, com aproximadamente 14 mil decolagens. Com sede em Manaus (AM), a MAP, de propriedade da família Pacheco, opera há apenas seis anos e atende 14 municípios do Amazonas e Pará, e transporta por ano mais de 140 mil passageiros. Com a operação, a Passaredo terá 800 funcionários, 500 já na empresa e 300 da MAP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.