Patrimônio de fundos do Opportunity caiu 6% após prisão

O patrimônio dos fundos de investimentos do Opportunity encolheu 6,2% desde a prisão na Operação Satiagraha, da Polícia Federal, de vários integrantes do comando do grupo, entre eles o sócio-fundador, Daniel Dantas, e o principal executivo, Dório Ferman. O valor atinge R$ 998 milhões. O diretor comercial do Opportunity, Fernando Rodrigues, explicou que o montante incluiu os saques realizados desde a última terça-feira, quando ocorreram as prisões, e também os resgates já agendados pelos cotistas para os próximos 90 dias. "Queremos dar o máximo de transparência. Estamos trabalhando para tranqüilizar os clientes", afirmou ele.Atualmente, a gestora de recursos do Opportunity ocupa o 15ª lugar no ranking da Associação Nacional dos Bancos de Investimentos (Anbid). Rodrigues destacou que o grupo decidiu adotar a mesma política de transparência utilizada em 2004, quando Dantas foi indiciado pela Polícia Federal na operação Chacal, que investigou o esquema de suposta espionagem industrial durante a briga entre o Opportunity e a Telecom Italia pela Brasil Telecom (BrT).Desde a terça-feira, o Opportunity vem divulgando o porcentual de resgates dos fundos e também a composição de sua carteira de investimentos. Em 2004, as perdas dos fundos de investimentos do grupo chegaram a atingir entre 10% e 15% do patrimônio total nos 90 dias seguintes ao anúncio do indiciamento de Dantas. Mas Rodrigues ressaltou que a situação se reverteu em nove meses. "Passamos a crescer e superamos as turbulências", disse.O diretor destacou ainda que 80% do patrimônio dos fundos está relacionado a clientes que investem no Opportunity há 15 anos. "São pessoas que enriqueceram com a gente. Queremos mostrar que a performance continua a mesma", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.