R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Patrimônio dos americanos cai pela primeira vez desde 2002

Houve uma queda de US$ 11,2 trilhões ou quase 18% em relação a 2007, segundo jornal americano

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

12 de março de 2009 | 15h00

O patrimônio líquido dos norte-americanos diminuiu em 2008 pela primeira vez desde 2002, à medida que o valor das moradias e das ações em bolsa declinou, mostraram dados do banco central norte-americano (Federal Reserve), segundo notícia do Wall Street Journal. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  O patrimônio líquido das famílias, que é a diferença entre o ativo e o passivo, ficou em US$ 51,5 trilhões, uma queda de US$ 11,2 trilhões ou quase 18% em relação a 2007. Isso leva o total do patrimônio das famílias para níveis anteriores a 2004. Para chegar a este resultado, a reportagem mostrou que os ativos das famílias como um todo caíram 15% em 2008, para US$ 65,7 trilhões, em números não ajustados pela inflação, contra declínio de menos de 1% no passivo total, para US$ 14,2 bilhões. Os dados do Fed sinalizam o fim de uma era onde os norte-americanos gastaram com o olhar nos ativos crescentes - suas casas, seus fundos de previdência, seus investimentos em ações. Conhecido como "efeito riqueza", os economistas calculam que os norte-americanos gastam cerca de cinco centavos a mais para cada dólar ganho. Agora, conforme os ativos encolhem, os gastos também diminuem. "O impacto na família norte-americana é bem amplo e bem profundo", disse Jane D'Arista, pesquisadora do Instituto de Pesquisa de Economia Política da Universidade de Massachusetts-Amherst. Dívidas Em 2008, o crédito hipotecário caiu para US$ 10,5 trilhões, o primeiro declínio desde que o Fed começou a acompanhar o dado, nos anos 1950, principalmente devido ao colapso imobiliário, execuções e empréstimos mais apertados. Mas outros créditos ao consumidor cresceram quase 2%, para US$ 2,6 trilhões. A dívida geral das famílias aumentou 0,5%.  Refletindo o menor valor das residências, o porcentual que o mutuário norte-americano possui do valor de sua casa caiu para 43% em 2008, quase seis pontos porcentuais abaixo do ano anterior. O dado reflete aqueles mutuários com hipotecas e os que já pagaram a dívida. O valor do patrimônio em mercado de ações que os norte-americanos possuem - incluindo investimentos diretos, fundos mútuos e planos de previdência - caiu para US$ 12,1 trilhões no final de 2008, de US$ 20,6 trilhões no final de 2007. Trata-se do menor nível desde 1997.  Conforme a bolsa caía, os norte-americanos transferiam mais recursos para o banco. Os depósitos bancários totais subiram quase 5%, para US$ 7,7 trilhões em 2008. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.