Nissan é acusada de abusos contra trabalhadores nos EUA

Sindicalistas no Rio de Janeiro acusam a montadora de obrigar funcionárias do Mississipi a usar fralda geriátrica para evitar ida ao banheiro

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2016 | 13h09

RIO - Cerca de 50 sindicalistas do setor automobilístico se reuniram à frente da sede do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos - Rio 2016, no Centro do Rio, para manifestar indignação às condições de trabalho na fábrica da japonesa Nissan instalada no Mississipi, nos Estados Unidos. A empresa é uma das patrocinadoras dos jogos olímpicos. 

Sobre as condições de trabalho no Brasil não há queixas, disse o diretor da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM) Waldir Freire Dias. "Por estar há pouco tempo em Resende (RJ), a Nissan mantém conversa com os sindicatos. Mas, nos Estados Unidos, a situação é bem diferente. Uma empresa que se coloca como patrocinadora de um evento internacional, como as Olimpíadas, precisa se posicionar sobre como trata os seus funcionários", afirmou Dias. 

A denúncia é que, nos Estados Unidos, a montadora persegue sindicalistas e não reconhece as reivindicações dos trabalhadores. A entidade sindical no país, United Auto Works Union (UAWU), que convocou a manifestação no Rio, acusa a Nissan de obrigar funcionárias do Mississipi a usar fralda geriátrica para evitar a ida ao banheiro e, com isso, e a interrupção do trabalho. 

"Não somos contrários aos investimentos da Nissan ou às Olimpíadas. Estamos protestando pelos trabalhadores. Queremos que a Nissan respeite as leis trabalhistas", disse Dias. A manifestação reuniu representantes sindicais da CUT e da Força Sindical. Não participaram, no entanto, representantes do sindicato do município de Resende, que, segundo o diretor da CNM, estavam reunidos pela manhã com a diretoria da montadora, no município fluminense.

Mais conteúdo sobre:
Nissan Protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.